Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

17/06/2015

Confiança dos empresários do comércio apresenta sexta queda consecutiva e atinge o menor nível em maio

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 18 de junho de 2015 - A confiança dos empresários do comércio continua a trajetória de queda e em maio, após a sexta retração seguida (-3,7%), passou para 81,8 pontos, ante 84,9 vistos em abril - em uma escala que varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total). O indicador bateu novo recorde negativo e atingiu o menor nível da série histórica, iniciada em março de 2011. No comparativo anual, a queda foi de 21,9%.

Os dados são da pesquisa Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), elaborada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

A Federação, no fim de 2014, já antecipava que o início deste ano não traria muitas novidades, e os resultados negativos nas vendas do Dia das Mães devem repercutir para uma possível queda de confiança do empresário para o próximo mês, não apenas por causa da queda das vendas, mas também devido o excesso de estoque. Segundo a assessoria econômica da Entidade, o atual cenário negativo da economia alterou algumas projeções para 2015, com viés de quedas para o PIB (entre 1% e 1,5%) e o consumo, e de altas para inflação (ao redor de 8%) e juros.

O ICEC é composto por três indicadores - que novamente apresentaram avaliações negativas. O Índice das Condições Atuais do Empresário do Comércio (ICAEC), o qual mostra que o sentimento de pessimismo em relação ao momento atual aumenta a cada mês, teve retração de 8,7%, ao passar de 49 pontos em abril para 44,8 pontos em maio.

O Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (IEEC) também apresentou queda (-2,6%), e passou de 124,7 para 121,4 pontos. Quanto ao Índice de Investimento do Empresário do Comércio (IIEC), a tendência se repetiu e registrou declínio de 2,3%, de 81,1 em abril para 79,2 pontos em maio.

Na análise por porte, as grandes empresas, que historicamente são mais confiantes, pelo terceiro mês consecutivo estão no mesmo patamar das pequenas. No caso das empresas com mais de 50 empregados, o ICEC passou de 85,9 pontos em abril para 79,5 pontos em maio, queda de 7,5%, enquanto as com até 50 funcionários atingiram 81,9 pontos em maio, ante 84,9 pontos em abril, retração de 3,6%. Em relação ao mesmo mês do ano passado, os resultados foram ainda mais negativos: queda de 37,6% na confiança de empresas com mais de 50 empregados e retração de 21,5% nas empresas com até 50 funcionários.

Para a FecomercioSP, é preocupante o patamar de pessimismo dos empresários e os resultados indicam que a percepção geral deles é muito pior do que sugeriam as projeções, além de mostrar uma falta de perspectivas de melhora e que o mau desempenho é generalizado.

Nota metodológica
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) contempla as percepções do setor em relação ao seu segmento, à sua empresa e à economia do País. São entrevistas com 600 empresários na capital, em painel fixo de empresas, com amostragem segmentada por setor (não duráveis, semiduráveis e duráveis) e por porte de empresa (até 50 empregados e mais de 50 empregados). As questões agrupadas formam o ICEC, que por sua vez pode ser decomposto em outros subíndices que avaliam as perspectivas futuras, a avaliação presente e as estratégias dos empresários mediante o cenário econômico. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.