Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

22/02/2015

Crise hídrica, aumento da passagem de ônibus e energia já pesam no bolso dos paulistanos em janeiro

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 23 de fevereiro de 2015 - No primeiro mês de 2015, o Índice de Custo de Vida por Classe Social (CVCS) ficou em 1,21% - em dezembro, a variação foi de 0,74%. Foi a maior alta mensal de preços desde dezembro de 2010, quando a pesquisa passou a ser realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).  Ao considerar os últimos 12 meses, o índice acumulou alta de 6,73%.

A pesquisa mostra que o segmento de transportes pressionou o aumento do custo de vida, com alta de 1,65%, o que representou 29,33% da variação total. O aumento se deve às passagens de ônibus, trens e metrô de São Paulo que estão mais caras - a tarifa passou de R$ 3 para R$ 3,50. Ainda entre os grupos que tiveram altas significativas estão: alimentação e bebidas (1,26%) - que pelo 5º mês consecutivo exerceu influência relevante no crescimento do custo de vida, em razão do acirramento da crise hídrica na capital - e habitação, que também alcançou a maior alta para o mês: 3,49% contra 0,55% no ano passado, puxada pelo item energia elétrica, que sofreu reajuste nas tarifas e, um acréscimo de R$ 3 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos em janeiro devido ao aumento da bandeira tarifária.

Dos nove grupos que compõem o índice, vestuário e artigos do lar encerraram o mês com variação negativa: 1,83% e 1,21%, respectivamente. Os demais grupos fecharam o mês positivamente e contribuíram para aceleração dos preços.

Com relação às faixas de renda, as classes que mais sentiram o aumento do custo de vida foram a D (1,71%) e a E (1,75%), em virtude da elevação nos últimos 12 meses dos grupos habitação (7,3%) e alimentação e bebidas (7,26%), que representam 50% do orçamento das famílias. Já as classes A, B e C foram as menos prejudicadas.

IPV e IPS
A pesquisa da FecomercioSP analisa separadamente a alta de preços de produtos por meio do Índice de Preços do Varejo (IPV) e de serviços por meio do Índice de Preços de Serviços (IPS). Os preços dos produtos subiram 0,48%, puxados pelo grupo alimentação e bebidas, com elevação de 1,43%. O destaque ficou por conta dos produtos in natura: batata-inglesa (40,01%), feijão-carioca (18,49%), tomate (16,12%), sardinha (12,35%) e repolho (10,94%).

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, a escassez de água implica aumento do custo de irrigação dos plantios e prejudica a quantidade dos produtos à venda. A alta desses alimentos também é reflexo da inflação dos preços de combustíveis que deixa o frete mais caro.

Já o índice que avalia os preços dos serviços subiu 1,98%, com destaque para habitação (4,24%), transportes (2,86%) e alimentação e bebidas (1,01%). Conforme projetado pela assessoria econômica da Entidade, os três grupos sofreram as principais pressões no início do ano. Para os próximos meses, ainda deve haver significativa influência altista devido ao reajuste de energia para o grupo habitação, além de educação, que costuma ser computada em fevereiro. É importante lembrar que outro custo que deve pressionar de forma decisiva o setor produtivo e encarecer o preço final dos produtos é a água, visto que, muito embora não haja um racionamento oficial, muitas regiões de São Paulo já enfrentam interrupção no abastecimento.

Metodologia
O Custo de Vida por Classe Social (CVCS), formado pelo Índice de Preços de Serviços (IPS) e pelo Índice de Preços do Varejo (IPV), utiliza informações da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE e contempla as cinco faixas de renda familiar (A, B, C, D e E) para avaliar os pesos e os efeitos da alta de preços na região metropolitana de São Paulo em 247 itens de consumo. A estrutura de ponderação é fixa e baseada na participação dos itens de consumo obtida pela POF de 2008/2009 para cada grupo de renda e para a média geral. O IPS avalia 66 itens de serviços e o IPV, 181 produtos de consumo.

As faixas de renda variam de acordo com os ganhos familiares: até R$ 976,58 (E); de R$ 976,59 a R$ 1.464,87 (D); de R$ 1.464,88 a R$ 7.324,33 (C); de R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23 (B); e acima de R$ 12.207,24 (A). Esses valores foram atualizados pelo IPCA de janeiro de 2012. Para cada uma das cinco faixas de renda acompanhadas, os indicadores de preços resultam da soma das variações de preço de cada item, ponderadas de acordo com a participação desses produtos e serviços sobre o orçamento familiar.