Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Imprensa

09/01/2014

Inflação desacelera em novembro: serviços sobem 0,50% e produtos 0,39%

No mês, os maiores aumentos foram nos preços das passagens aéreas e tapetes

Ajustar texto: A+A-

São Paulo, 09 de janeiro de 2013 - A inflação sobre produtos e serviços em novembro desacelerou na região metropolitana de São Paulo, em comparação a outubro. De acordo com os indicadores da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Índice de Preços do Varejo (IPV) aumentou 0,39% e o Índice de Preços de Serviços (IPS) subiu 0,50%. O Custo de Vida por Classe Social (CVCS), que analisa o conjunto de preços de serviços e produtos, apresentou alta de 0,45%, menor que a de 0,72% apresentada em outubro.
 
Segundo a FecomercioSP, no mês de outubro nenhum item do CVCS havia tido variação negativa, o que contribuiu para o cenário de altas disseminadas. Em novembro, o item Artigos para o Lar teve diminuição de 0,61%. As altas mais significativas no mês, em comparação a outubro, foram concentradas nos grupos de Alimentação e Bebidas (+0,81%), Saúde e Cuidados Pessoais (+0,61%) e Habitação (+0,47%). Na avaliação por faixa de renda, a maior alta foi sentida pela classe D - com rendimento entre R$ 976,59 a R$ 1.464,88 - com impacto de 0,51%. Analisando o acumulado em 12 meses, a inflação sobre produtos e serviços está em 5,71%.
 
Entre os serviços, os maiores aumentos em relação a outubro foram observados nos grupos de Saúde e Cuidados Pessoais (+0,87%) e Alimentos e Bebidas (+0,76%). O item com a maior alta no mês foram as passagens aéreas (+6,48%). A análise por faixa de renda mostra que as famílias mais impactadas foram as da classe D, com alta de 0,73% em novembro. Nos últimos 12 meses, a inflação sobre serviços foi de 5,44%.
 
Na avaliação de produtos, os grupos com as maiores altas em novembro foram Alimentação e Bebidas (+0,83%), Despesas Pessoais (+0,76%) e Vestuário (+0,56%). O aumento mais significativo foi constatado no preço dos tapetes (+9,68%). A classe social mais afetada foi a B - com renda entre R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23 -, com aumento de 0,45%. Em 12 meses, a inflação sobre produtos foi de 5,96%.
 
Metodologia
O Custo de Vida por Classe Social (CVCS), formado pelo Índice de Preços de Serviços (IPS) e Índice de Preços do Varejo (IPV), utiliza informações da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE e contemplam as cinco faixas de renda familiar (A, B, C, D e E) para avaliar os pesos e os efeitos da alta de preços na região metropolitana de São Paulo em 247 itens de consumo. A estrutura de ponderação é fixa e baseada na participação dos itens de consumo obtida pela POF de 2008/2009 para cada grupo de renda e para a média geral. O IPS avalia 66 itens de serviços e o IPV, 181 produtos de consumo.
 
As faixas de renda variam de acordo com os ganhos familiares: até R$ 976,58 (E); de R$ 976,59 a R$ 1.464,87 (D); de R$ 1.464,88 a R$ 7.324,33 (C); de R$ 7.324,34 a R$ 12.207,23 (B); e acima de R$ 12.207,24 (A). Esses valores foram atualizados pelo IPCA de janeiro de 2012. Para cada uma das cinco faixas de renda acompanhadas, os indicadores de preços resultam da soma das variações de preço de cada item, ponderadas de acordo com a participação desses produtos e serviços sobre o orçamento familiar.