Economia

19/02/2019

Intenção do empresário em investir e contratar se mantém estável em fevereiro, após cinco meses de altas consecutivas

De acordo com a FecomercioSP, contudo, o Índice de Expansão do Comércio apontou alta de 7,1% comparado ao mesmo período de 2018

Intenção do empresário em investir e contratar se mantém estável em fevereiro, após cinco meses de altas consecutivas

FecomercioSP aponta uma pausa técnica neste mês, influenciada pelo comportamento dos empresários, que aguardam os próximos passos do novo governo para voltar a investir e a empregar
(Arte: TUTU)

Após cinco meses de altas consecutivas, o Índice de Expansão do Comércio (IEC), calculado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), manteve estabilidade ao cair 0,1% em fevereiro, passando de 108,8 pontos em janeiro para os atuais 108,7 pontos. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o indicador apontou crescimento de 7,1%.

A propensão do empresário a investir aumentou 0,9% em relação a janeiro e passou de 87,1 para 87,9 pontos no mês atual. Em comparação com fevereiro de 2018, quando apresentava 85,4 pontos, obteve alta de 2,9%.

Veja também:
Intenção do consumidor de comprar a prazo deve subir no segundo semestre
Otimismo e aumento nas vendas faz atacado paulista criar mais de 9 mil vagas em 2018
Varejista deve estar atento à conjuntura econômica para fazer projeção realista de vendas

Por outro lado, o item que mede a expectativa de novas contratações caiu 0,8% na mesma base de comparação, com 129,6 pontos em fevereiro, ante os 130,5 pontos em janeiro. Entretanto, em relação ao mesmo período do ano passado, o índice apontou alta de 10,2%, quando registrou 117,6 pontos.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, houve uma pausa técnica neste mês, influenciada pelo comportamento dos empresários, que aguardam os próximos passos do novo governo para voltar a investir e a empregar. A expectativa da Entidade é que, com as aprovações para as principais reformas ainda em 2019, o País volte a receber investimentos externos, além de haver novos projetos nacionais.