Economia

15/02/2019

Otimismo e aumento nas vendas faz atacado paulista criar mais de 9 mil vagas em 2018

FecomercioSP recomenda que setor adote certas medidas para garantir o crescimento ainda mais robusto do atacado nos próximos anos

Otimismo e aumento nas vendas faz atacado paulista criar mais de 9 mil vagas em 2018

Os segmentos de produtos farmacêuticos e máquinas de usos comercial e industrial foram os maiores responsáveis pelo bom resultado no acumulado do ano
(Arte: TUTU)

O atacadista investiu em contratações no decorrer do ano passado como reflexo das vendas do setor e do otimismo do empresariado. Para garantir o crescimento ainda mais robusto para os próximos anos, é recomendável que o empresário organize o quadro funcional da empresa e os fornecedores e adote, já no início de 2019, uma política de avaliação constante do fluxo de caixa, prazos de estocagem, recebimento e pagamento e preços.

No acumulado dos 12 meses de 2018, foram criadas 9.061 vagas de emprego. Segundo a Pesquisa de Emprego no Comércio Atacadista do Estado de São Paulo (PESP Atacado), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), esse é o melhor resultado para um ano fechado desde 2013.

Veja também:
Varejista deve estar atento à conjuntura econômica para fazer projeção realista de vendas
Setor de serviços deve buscar cada vez mais assertividade na seleção da mão de obra
Varejo paulista deve avaliar necessidade de ajuste no quadro funcional

No período, o estoque ativo do setor foi de 507.211 vínculos formais. Os segmentos de produtos farmacêuticos e máquinas de usos comercial e industrial foram os maiores responsáveis pelo bom resultado. Eles criaram 1.811 e 2.408 vagas, respectivamente.

A análise individual do mês de dezembro mostra que o comércio atacadista no Estado de São Paulo eliminou 828 vagas com carteira assinada. O saldo final do mês ocorreu após 11.848 admissões e 12.676 desligamentos no período.

Apesar de interromper o ciclo de cinco meses seguidos de criação de emprego formal do setor, o saldo faz parte da sazonalidade de dispensas após incremento empresarial ao fim do ano. Ainda que no negativo, comum para o mês de dezembro, houve a perda mais amena de vagas para o mês desde 2007, ano inicial de nossa série histórica.

Os grupos avaliados que mais influenciaram o resultado negativo do último mês do ano foram os atacados de eletrônicos e equipamentos de uso pessoal (-453 vagas); de vestuário, tecidos e calçados (-311 vagas); e do grupo de papel, resíduos, sucatas e metais (-210 cagas). Por outro lado, o segmento de alimentos e bebidas gerou 262 novas vagas.

Desempenho regional
Pelo recorte geográfico, o resultado de dezembro foi puxado para baixo pelos desempenhos da capital, que fechou 725 vagas, e da região de Campinas, que eliminou 317 postos. O litoral paulista registrou o melhor desempenho regional, com a abertura de 346 postos de trabalho celetistas.

No acumulado do ano, a capital e as regiões de Guarulhos e Campinas foram as que mais geraram postos de trabalho celetistas, com 2.729, 1.202 e 811 vagas abertas, respectivamente. Apenas nas regiões de Bauru (-41) e Araçatuba (-10) houve mais desligamentos que admissões.