Economia

14/02/2019

Setor de serviços deve buscar cada vez mais assertividade na seleção da mão de obra

No acumulado de 2018, foram geradas 115,3 mil vagas nos serviços paulistas; processo de geração de empregos formais em serviços deve continuar ascendente neste ano

Setor de serviços deve buscar cada vez mais assertividade na seleção da mão de obra

As atividades que mais se destacaram nas contratações foram as administrativas e complementares e os serviços médicos, odontológicos e sociais
(Arte: TUTU)

O processo de geração de vagas formais em serviços deve continuar ascendente em 2019, e o setor tem chances de recuperar o número de postos de trabalho extintos nos períodos da crise registrados entre 2015 e 2016.

Como contratar corretamente traz economia e produtividade, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) orienta aos empresários que estudem e planejem os custos para seleção, admissão e treinamento de novos funcionários. Outro ponto de atenção é a forma de seleção. A descrição correta das vagas, as especialidades e as experiências solicitadas, assim como as demais características técnicas e específicas preferenciais de candidatos, deverão trazer mais assertividade nos processos seletivos.

Veja também:
Com inadimplência alta, empresário deve facilitar pagamento para atrair consumidor
Varejo paulista deve avaliar necessidade de ajuste no quadro funcional
Crescente intenção de consumo das famílias deve beneficiar a venda de bens duráveis

No acumulado de 2018, foram geradas 115,3 mil vagas nos serviços paulistas, o melhor desempenho desde 2013. Com isso, o setor encerrou o ano com um estoque ativo de 7.416.743 vínculos formais, avanço de 1,6% em relação ao ano anterior. A constatação foi feita pela Pesquisa de Emprego no Setor de Serviços do Estado de São Paulo (PESP Serviços), realizada mensalmente pela Entidade.

As atividades que mais se destacaram nas contratações foram as administrativas e complementares e os serviços médicos, odontológicos e sociais, que preencheram no decorrer do ano 34.163 e 26.290 vagas, respectivamente. Nesses grupos, os destaques ficaram por conta dos serviços de apoio a edifícios (7.018 vagas); limpeza predial e em domicílios (5.217 vagas); e atendimento hospitalar (7.607 vagas).

Apesar do bom resultado anual, o mês de dezembro registrou eliminação de mais de 56 mil vagas com carteira assinada. O resultado negativo que interrompeu cinco altas mensais seguidas ocorreu após 143.551 admissões e 199.583 desligamentos.

Nenhum dos grupos de atividades avaliados teve um mês de dezembro no positivo. O resultado final foi influenciado pelos números dos serviços educacionais, que tiveram retração de 23.529 vagas, e serviços de transporte e armazenagem e administração pública – um fechou 9.936 vagas, e o outro, 9.640 postos.

No entanto, considerando apenas os resultados apurados nos meses de dezembro, observa-se que a perda registrada em 2018 é a menor desde 2013.

Desempenho regional
No acumulado nos 12 meses de 2018, em termos absolutos, destacou-se o desempenho da capital paulista. Foram 52.670 novas vagas com carteira assinada. Por outro lado, a região de Araçatuba foi a que possuiu o menor desempenho regional, com a criação de 1.403 postos de trabalhos formais. Em termos porcentuais, em relação ao estoque de vínculos, o maior crescimento ocorreu na região de Ribeirão Preto, na qual as 7.840 vagas criadas significaram aumento de 2,6% no mercado de trabalho ativo. Já o Litoral teve avanço de apenas 0,6% do estoque de vínculos.

A análise individual de dezembro apontou que apenas no Litoral houve crescimento do emprego formal nos serviços entre as 16 regiões paulistas avaliadas, com 145 novas vagas. O setor de serviços da capital paulista perdeu 15.814 vagas no mês de dezembro. Os dois grupos de atividades que mais se destacaram negativamente foram os serviços educacionais (-8.698 vagas) e os serviços médico, odontológicos e sociais (-1.752 vagas).