Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

04/08/2021

Mês do Dia dos Pais deve ter aumento de 14,2% nas vendas do varejo

Segundo a FecomercioSP, o crescimento não será puxado pela data, mas por atividades como veículos e autopeças e materiais de construção

Ajustar texto: A+A-

Mês do Dia dos Pais deve ter aumento de 14,2% nas vendas do varejo

Flexibilização quase plena do horário para funcionamento das lojas está entre os motivos que devem proporcionar o incremento de R$ 8,7 bilhões na receita real do comércio
(Arte: TUTU)

Em agosto, mês em que se comemora o Dia dos Pais, o varejo paulista deve apresentar um aumento de vendas 14,2% acima do registrado no mesmo período do ano passado, segundo projeção realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

A previsão de alta, no entanto, não está relacionada à data comemorativa, que é a que tem menor impacto sobre as vendas do comércio. Normalmente, a sazonalidade de agosto é inexpressiva no varejo estadual, com crescimento médio mensal ao redor de 2%, que deve ser a variação ante julho de 2021.

Leia sobre outros assuntos de interesse para as empresas
Otimismo do empresário cresce pelo segundo mês consecutivo
Comércio paulista gera 21.388 empregos formais em maio
Estabelecimentos comerciais e de serviços podem funcionar até as 23h

Quando observamos apenas as atividades que têm alguma correlação com o Dia dos Pais, o nível de faturamento tende a mostrar um crescimento de 6% ao longo de todo o mês, atingindo R$ 41 bilhões, o que representa um aumento de R$ 2,3 bilhões em comparação ao observado em agosto do ano passado.

Neste ano, fatores como a flexibilização quase plena do horário para funcionamento das lojas, a necessidade de recomposição de demanda e o auxílio emergencial, somados às melhores condições para o aumento do nível de gastos no varejo, devem proporcionar o incremento de R$ 8,7 bilhões na receita real do comércio, em comparação ao mesmo mês de 2020.

O tíquete médio das famílias paulistas com despesas nesses setores deve atingir R$ 2.638,79, estima o estudo. Isso representa uma elevação de cerca de R$ 112 reais por família, 4,5% maior do que em agosto de 2020, em razão, principalmente, da continuidade no aumento de aquisição de alimentos e produtos de higiene e de roupas.

Veículos e autopeças (37,6%), materiais de construção (37,4%), outras atividades – nas quais predominam a venda de combustível (22,6%) – e lojas de vestuário, tecidos e calçados (20,1%) devem ser os segmentos com os índices de crescimento mais substanciais.

No sentido oposto, mesmo a primeira sendo uma das atividades mais sensíveis ao Dia dos Pais, as farmácias e perfumarias (-0,5%) e as lojas de móveis e decorações (-8,7%) tendem a registrar quedas de movimento ante agosto de 2020.