Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

02/10/2020

Participação do e-commerce no varejo físico terá crescimento de forma estabilizada depois da pandemia

Kelly Carvalho, da FecomercioSP, fala sobre as expectativas para o comércio eletrônico após a pandemia

Ajustar texto: A+A-

Participação do e-commerce no varejo físico terá crescimento de forma estabilizada depois da pandemia

Participação das vendas online na capital paulista é menor do registrado em outras cidades do mundo, como Nova York
(Arte: TUTU)

A participação do e-commerce, na cidade de São Paulo, no varejo físico terá crescimento de forma estabilizada após a pandemia, segundo estima Kelly Carvalho, assessora econômica da FecomercioSP, no podcast da Entidade. Esta normalidade vai ocorrer depois de o comércio eletrônico ter avançado enormemente no primeiro semestre em todo o Estado paulista.

Segundo ela, a participação das vendas online deve crescer em torno de 5% a 6% do total do varejo físico, ainda que este não seja um número tão considerável quanto em outras cidades do mundo, como Nova York, onde esse porcentual é de 10%.

Leia mais sobre comércio eletrônico:
Estabelecimentos podem fazer uso de ferramenta gratuita para criar comércio eletrônico
Clientes perdem medo de meios de pagamento digitais e do cashback
Saiba como montar uma operação de comércio eletrônico em meio à pandemia

“Existe uma tendência de continuidade do crescimento das vendas no e-commerce sobre o varejo, mas diferente do boom que tivemos no primeiro semestre durante a pandemia, porque geralmente não se tem uma segunda compra de produtos duráveis num prazo tão curto de tempo”, diz Kelly.

Ouça o podcast

O programa também está disponível no Spotify no Apple Podcasts.