Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

02/08/2016

Setor público precisa abrir espaço para inovação, dizem analistas

André Barrence, do Google, e Marivaldo Pereira, da Secretaria do Tesouro, discutem como resolver problemas de gestão nos órgãos públicos

Ajustar texto: A+A-

Setor público precisa abrir espaço para inovação, dizem analistas

André Barrence (à esquerda) e Marivaldo Pereira (à direita) acreditam que órgãos públicos brasileiros precisam inovar suas práticas para ter uma gestão mais eficiente

A gestão pública brasileira tem o desafio de inovar em um ambiente completamente conservador, avaliam o diretor do Google Campus São Paulo, André Barrence, e o analista de Finanças e Controle da Secretaria do Tesouro Nacional, Marivaldo Pereira.

Em entrevista ao UM BRASIL, Barrence diz que o País precisa valorizar a inovação como forma de resolver os problemas de gestão presentes tanto na área pública quanto na atividade privada.

“O Brasil é um parque de diversão para empreendedor. A quantidade de problemas que temos para resolver aqui é proporcional à quantidade de oportunidades que temos”, diz o diretor do Google. “A atividade empreendedora não é concentradora de riqueza, é distribuidora de riqueza e solucionadora de problemas”, completa.

Para Marivaldo Pereira, a falta de transparência do Judiciário brasileiro tornou o ambiente ainda mais atrasado do que os demais setores públicos.

“Se pegarmos os avanços que tivemos na administração pública, no Poder Executivo e até no Poder Legislativo nos últimos dez, 15 ou 20 anos, é assustadoramente superior ao avanço que tivemos em termos de gestão no Ministério Público e no Poder Judiciário.”

Pereira afirma que o desenvolvimento de ideias nos Poderes Executivo e Legislativo se deve porque estão sujeitos “ao controle da sociedade, à eleição e à fiscalização pela imprensa”, o que não ocorre da mesma forma no Judiciário.

Veja a entrevista na íntegra abaixo: