Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

24/06/2020

Telemedicina e venda de novos produtos impactam nas vendas da Ultrafarma; ouça

O diretor comercial da empresa, Marcos Ferreira, fala sobre o papel do e-commerce e o novo perfil do consumidor durante a pandemia de covid-19

Ajustar texto: A+A-

Telemedicina e venda de novos produtos impactam nas vendas da Ultrafarma; ouça

Ferreira também lembra a mudança de comportamento no carrinho de compras desde o início da pandemia
(Arte: TUTU)

A pandemia do novo coronavírus impactou o setor de varejo farmacêutico, que teve de se adaptar a telemedicina, a venda de novos produtos e a mudança de comportamento do consumidor. No episódio da série Mercado & Perspectivas uma iniciativa da FecomercioSP, publicado nesta quarta-feira (24), o diretor comercial da Ultrafarma, Marcos Ferreira, fala da oportunidade que o avanço do e-commerce trouxe.

“As pessoas evitaram sair de casa por causa da quarentena, mas usaram o e-commerce e o número de pedidos triplicou a partir do final de março. Por causa disso, decidimos tirar do papel o projeto do aplicativo Ultrafarma e essa plataforma tem sido bem aceita pelo público idoso que está aprendendo a usar a tecnologia”, diz Ferreira.

Fique por dentro das ações adotadas por outras empresas na pandemia:
Empresas precisam entender o cliente para saber como ele vai se comportar após a pandemia
Presidente das Óticas Diniz fala das mudanças efetuadas no atendimento durante a pandemia
Após digitalização, comércio precisa de dinheiro para folha de pagamento e para capital de giro

Ferreira também lembra a mudança de comportamento no carrinho de compras desde o início da pandemia. Até o começo de abril, segundo ele, o medo da falta de produtos fez as pessoas comprarem os itens em maior quantidade para estocar em casa. Já na segunda quinzena de abril, a empresa identificou maior procura por vitaminas para o sistema imunológico e por itens como álcool em gel e máscaras. “Começamos a trabalhar com a venda de máscara na pandemia e já vendemos mais de 4 milhões desse produto até o momento”, comenta.

Apesar dos problemas causados pela pandemia em todo o País, Ferreira vê como positivo o uso do receituário eletrônico no Brasil – realidade há anos em outros países. “As pessoas passaram a conversar com o médico por vídeo chamada e a prescrição de medicamento agora é online, com QR code. As farmácias tiveram de se adaptar rapidamente para aceitar o receituário eletrônico.”

Ouça o podcast:

O conteúdo também está disponível no Spotify e no Apple Podcast.