Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

04/04/2018

Uso estratégico impede que mudanças no Facebook afetem pequeno empresário

Com investimentos baixos de alcance local, empreendedores podem aproveitar ferramenta para atrair clientes

Ajustar texto: A+A-

Uso estratégico impede que mudanças no Facebook afetem pequeno empresário

A rede social permite que os posts sejam segmentados por idade, perfil e preferências de cada grupo de internautas
(Arte/TUTU)

A rede social Facebook anunciou no início deste ano mudanças quanto aos posts que serão priorizados no feed de notícias dos usuários: eles receberão mais postagens de amigos e familiares, privilegiando a interação entre usuários; em detrimento dos posts patrocinados por empresas. “Vamos fazer atualizações no ranking do feed para que as pessoas tenham mais oportunidades de interagir com as pessoas com as quais elas se importam mais”, diz a postagem oficial da rede de Mark Zuckerberg.

Sabendo que essas alterações podem afetar as estratégias de marketing das micros, pequenas e médias empresas – que, muitas vezes, dependem das redes sociais para criar vínculos com seus clientes –, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) ouviu especialistas em redes sociais para entender como pequenos varejistas podem se adequar às mudanças.

Veja também:
Confiança que traz lucro: sites que mostram ser seguros tendem a vender mais
Empresas tentam reduzir abandono de carrinho no e-commerce
Do pequeno ao grande: a importância do e-commerce para o setor de comércio e serviços

O Conselho do Comércio Eletrônico da FecomercioSP observa que o Facebook é uma ferramenta importante para geração de leads, ou seja, chamar a atenção de potenciais clientes e levá-los ao e-commerce. Segundo pesquisas da especialista Ebit, os setores de moda e acessórios, perfumaria e cosméticos e casa e decoração são exemplos de categorias que têm grande aderência do consumidor digital e, por isso, funcionam bem nas buscas via Facebook.

Outras categorias também podem ser impulsionadas por ofertas em redes sociais. O importante, segundo o Conselho, é realizar campanhas utilizando os filtros oferecidos pelo Facebook, de modo a direcionar a publicação diretamente ao público-alvo. A rede social permite que os posts sejam segmentados por idade, perfil e preferências de cada grupo de internautas.

Mesmo com as mudanças de algoritmo, o Facebook permanece uma ferramenta interessante por ser, inclusive, mais fácil de ser manuseada para publicidade que o Google, que demanda que a empresa tenha um site estruturado. “Mudanças de algoritmo em redes sociais não são novidade para quem trabalha no meio. O alcance orgânico (ou seja, sem nenhum patrocínio) do Facebook já estava entre 3% a 5% do número de seguidores da página”, diz André Bonanomi, diretor-executivo da agência de comunicação A7B.

“Embora tenham ocorrido mudanças, entre as opções de marketing que uma pequena empresa tem, se levarmos em consideração o nível de investimento, o Facebook é o que tem o maior alcance, principalmente porque pequenas empresas trabalham localmente”, conta.

Segundo Bonanomi, com investimentos pequenos, de R$ 20 a R$ 40, já é possível impulsionar postagens e alcançar o público local. “Como na internet as pessoas compartilham onde estão, o empresário pode ter bons resultados por geolocalização”, explica.

Para um pet-shop recém-inaugurado, por exemplo, o responsável poderia postar fotos de produtos e imagens dos animais depois do banho. “Em seguida, o ideal seria impulsionar essa postagem para usuários em até 20 quilômetros ao redor do estabelecimento, com uma verba de cerca de R$ 50. Atrair essas pessoas certamente trará um retorno maior que o investimento”, diz Bonanomi.

Nesse caso, na hora da escolha do público-alvo, seria preciso saber segmentar corretamente: direcionar o post localmente e para pessoas interessadas em pets. “Assim, evita-se gastar verba com clientes que não tenham pets”, diz.

Tanto Bonanomi quanto o Conselho do Comércio Eletrônico da FecomercioSP explicam que os mais afetados com a mudança recente do algoritmo do Facebook tendem a ser os sites de notícias, que terão seu conteúdo menos difundido entre seguidores de suas páginas virtuais.

Como aproveitar o Facebook como ferramenta para impulsionar meu negócio?

- Efetue testes para entender se o investimento em posts patrocinados gerará retorno em vendas e aumento na base de clientes. A melhor forma para isso, segundo a FecomercioSP, é aumentar o investimento gradativamente, aliado a campanhas criativas ou conteúdo relevante.
- Apesar do Instagram pertencer ao Facebook, você pode considerá-lo como alternativa para geração de leads, principalmente nas categorias mais procuradas para compras via web;
- Outras alternativas são canais de vídeo como YouTube e Vimeo, redes de afiliados e remarketing, cuponagem e programas de fidelização;
- Se está começando, crie uma página profissional no Facebook e atualize com frequência (diária, se possível) com postagens referentes ao negócio para, aos poucos, atrair engajamento dos usuários;
- Ao abrir um negócio, cadastre-o também no Google Meu Negócio, com endereço e nome. Dessa forma, quando as pessoas procurarem, o link vai aparecer na listagem de mapas, o que direciona o tráfego e é gratuito.