Negócios

09/04/2018

Bancarização do empreendedor permite mais controle do fluxo de caixa

Empreendedor precisa ser rigoroso quanto a gastos e recebimentos da companhia e separar as vidas financeiras pessoal e empresarial

Bancarização do empreendedor permite mais controle do fluxo de caixa

Divisão auxilia na organização financeira e empreendimento tem mais chances de crescer
(Arte: TUTU)

O empreendedor que tem uma vida financeira saudável tem mais chances de expandir os negócios e mais possibilidades de seguir no mercado mesmo em períodos de crise econômica.

Uma das tarefas que contribui para esse fortalecimento da empresa é aprender a separar as gestões financeira da companhia da das finanças pessoais. O erro ainda é comum principalmente entre as pequenas empresas, que, em meio às inúmeras tarefas do cotidiano, acham mais fácil deixar tudo em uma única conta. Outros empreendedores têm contas separadas, mas encontram dificuldades em administrá-las.

Veja também:
Cooperativas de crédito ganham espaço no Brasil
Empresas podem economizar com conta corrente em cooperativas de crédito e crescer de forma sustentável

O problema é que quando família e negócio se confundem fica difícil saber “qual” o responsável pelos gastos, e mais ainda como sanar as dívidas e/ou quitar débitos. Segundo a assessoria econômica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a chamada “bancarização” da empresa tem como benefício a organização das finanças da empresa com mais controle do fluxo de caixa.

A Entidade afirma que, assim, os donos de microempresas passam a ter acesso imediato aos pagamentos de contas e aos recebimentos de vendas, além de ter um leque de oportunidades, como a contração de linhas de crédito específicas. Em conjunto com um bom planejamento financeiro, as opções de produtos e serviços financeiros podem contribuir para que a empresa tenha agilidade na consolidação do fluxo de caixa e aumento da rentabilidade.

Um atrativo a mais para empreendedores micros e pequenos negócios está na economia nas taxas que as cooperativas oferecem. O diretor de desenvolvimento em negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Adilson Felix de Sá, afirma que, dependendo da modalidade de crédito, os custos ficam entre 15% e 35% mais baixos que o mercado.

Assim, muitas empresas que antecipam o seu fluxo de caixa por meio do pagamento de longo prazo de fornecedores ou descontos de cheques pré-datados (que possuem descontos elevados), podem contar com o microcrédito, oferecendo condições de taxas e prazos diferenciadas. “Em especial para os MEIs, o Sicredi dispõe de 11 opções de pacotes para a contratação do público Pessoa Jurídica”, diz Sá.

As cooperativas contam ainda com especialistas que podem orientar o empreendedor sobre as melhores opções de aplicações financeiras. Isso tudo com um atendimento muito mais próximo e consultivo. “Outros produtos e serviços podem permitir um maior planejamento e eficiência, como rentabilizar sobras de caixa por meio de aplicações”, conclui Sá.