Economia

20/03/2019

Com poucas mudanças na condução da política monetária, BC mantém Selic em 6,5%, avalia FecomercioSP

Segundo a Entidade, a medida foi positiva, pois demonstra que a instituição já é quase independente na prática

São Paulo, 20 de março de 2019 – ‪Após as poucas mudanças ocorridas na condução política monetária, o Banco Central (BC) manteve a Selic em 6,5%. O anúncio ocorre depois do primeiro ciclo de reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) comandado pelo novo presidente do BC, Roberto Campos Neto. A taxa está nesse patamar desde o fim do ciclo de quedas, em março de 2018.

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a medida foi acertada e demonstra que a instituição é independente do governo, é um órgão do Estado. Conforme a Federação havia previsto, a manutenção é justificada pela inflação mais controlada, mas, por outro lado, sem espaço para redução de juros no ambiente de câmbio ainda volátil e restando muitas incertezas políticas.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado em 12 meses é menor do que 4%, e o projetado está abaixo desse patamar, fora da zona de risco. Os juros americanos também estão menores do que era esperado, o que não deve pressionar os preços.

A expectativa da FecomercioSP é que, no médio prazo, com as reformas encaminhas e aprovadas, o País passe por um ajuste fiscal, resultando em queda dos juros e recuperações de emprego, renda, consumo e produção, mas isso só deve ocorrer no segundo semestre. Contudo, também vai depender da condução política e da relação entre Executivo e o Congresso Nacional.

Sobre a FecomercioSP
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 137 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista – e quase 10% do PIB brasileiro –, gerando em torno de 10 milhões de empregos.