Negócios

14/06/2018

Comerciante anuncia em mídia específica para atingir público de comunidades

País tem mais de 11 milhões de pessoas morando em comunidades, e as empresas estão de olho nesses consumidores para aumentar vendas

Comerciante anuncia em mídia específica para atingir público de comunidades

Cartazes são reciclados após gerar renda para os moradores e retorno aos comerciantes
(Arte: TUTU)

Os moradores de comunidades brasileiras fazem parte de um público consumidor relevante para o comércio, e não é para menos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tinha em torno de 11,4 milhões de pessoas morando em comunidades em 2010, ou seja, 6% da população.

De olho nesse nicho, o comerciante de diferentes regiões do País procura fazer publicidade de seus produtos em comunidades carentes. Para a assessoria técnica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), esse tipo de divulgação é favorável para o consumidor local e para o comerciante, pois alcança um público específico ao anunciar produtos com preços mais acessíveis.

Veja também:
Comerciante deve estar atento ao afixar preços com descontos diferenciados em função dos meios de pagamento
FecomercioSP apresenta características de um bom vendedor no comércio
FecomercioSP apresenta dicas de gestão financeira no varejo

Apesar do potencial desse mercado, ele era pouco explorado, até que, em 2012, a jornalista Emília Rabello decidiu criar o Outdoor Social. “A empresa surgiu para atender a uma demanda do mercado publicitário de falar com as periferias, principalmente com a comunidade de maneira exclusiva e com eficiência”, relembra.

O negócio funciona assim: primeiro, o Outdoor Social planeja junto com agências de publicidade campanhas a serem veiculadas em mídia externa (painéis outdoor no formato 2x1 polímero). Depois, são estabelecidos os pontos em que esses materiais serão expostos. A ideia consiste em fazer divulgação em muros e fachadas de casas localizadas nas comunidades. Em contrapartida, o morador recebe um pagamento mensal que varia entre R$ 80 e R$ 120.

Após o fim das campanhas, as placas são enviadas para cooperativas de reciclagem. Esse é um dos pilares do projeto criado para gerar renda por meio da publicidade com impacto ambiental zero.

A ação teve início no Rio de Janeiro, uma das regiões que, de acordo com o IBGE, mais concentra lares dentro de comunidades (19,1%). Depois, a companhia abriu um escritório em Brasília e, em 2017, um ponto de comercialização em São Paulo, Estado que abriga 23,2% da população que mora em comunidades.

Emília diz que, atualmente, a proposta é bem-aceita pelos moradores, mas que, no momento de implementação, a iniciativa era vista com desconfiança.

“Muitas pessoas não permitiam que fotografássemos a placa instalada por pensar que estávamos cadastrando o imóvel para demolição. Eles também tinham dúvidas se iríamos remunerá-los conforme o combinado. Passamos por um processo até adquirir a confiança da população para que eles exibissem a placa até o fim do contrato e o nosso cliente tivesse o retorno esperado”, explica a empresária.

Atualmente, o modelo do Outdoor Social atrai pequenas, médias e grandes empresas anunciantes, mas ainda falta um formato que alcance o microempreendedor local, isso porque os painéis têm um valor ainda alto para investimento. Além de empresas de telefonia, de alimentos e bebidas, entre outras, são divulgadas campanhas de utilidade pública do governo federal nas áreas de saúde, educação e social.

A expansão do Outdoor Social, que já impactou 5 mil comunidades em todo o País com 370 campanhas, ocorreu porque o mercado de anunciante percebeu que o público popular, apesar de consumir um tíquete menor, é maior em volume. “As empresas entendem a importância de vender para toda a cadeia, desde a classe a A até a classe E. Então como a classe C é maior em número de pessoas, ela é estratégica para que qualquer cliente bata sua meta”, complementa Emília.

Anunciar nas imediações das residências desses milhões de moradores pertencentes às classes C, D e E difere das divulgações que estão em grandes vias de acesso, conforme destaca a assessoria técnica da FecomercioSP. Nesse sentido, a circulação local permite o contato direto com imagens de produtos que se destinam a essas classes sociais, facilitando o marketing.

A FecomercioSP informa que é importante mapear o perfil do consumidor e estudar o comportamento da região onde o produto será anunciado. Para isso, deve-se levar em consideração os seguintes critérios:

*Identificar as preferências e a necessidade local do produto a ser oferecido. Se houver erro nessa definição inicial, toda a iniciativa poderá declinar;

*Definir o preço de venda, entendendo ser necessária uma definição factível ao poder aquisitivo local. Isso poderá implicar redução de margens;

*Estabelecer a forma de pagamento, de maneira que a parcela seja adequada ao orçamento do consumidor de tais classes.