Negócios

04/10/2018

Compras incentivam turismo na capital paulista

Seja para consumo próprio ou para revenda, a busca por mercadorias é um dos atrativos para quem visita a cidade

Compras incentivam turismo na capital paulista

Compras podem ser feitas em qualquer período, mas é nas pontes dos feriados que se percebe a real atratividade desse tipo de turismo
(Arte: TUTU)

Por Priscila Trindade

São Paulo pode ser considerada um dos principais centros de compras do Brasil, e não é para menos. A cidade oferece uma infinidade de produtos e marcas, inclusive de luxo, que atraem moradores de municípios do interior paulista e de outros Estados. Seja para consumo próprio ou para revenda, a busca por mercadorias é um dos atrativos para quem visita a cidade.

A presidente do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Mariana Aldrigui, explica que a diversidade é o grande chamariz desse segmento. “Mesmo sem ações direcionadas para esse tipo de turismo, a capital paulista é um lugar onde comprar faz parte do roteiro de quem a visita. A pluralidade do mercado — que vai do luxuoso ao popular — se reflete nos diferentes preços encontrados aqui”, diz.

Veja também:
Com hospitais de referência e tratamento de alta complexidade, São Paulo atrai pacientes de outros Estados e países
FecomercioSP é contrária ao projeto de lei que inibe cobrança de marcação de assento em voos

São 59 ruas de comércio especializado e 53 shopping centers (o maior número do Brasil), segundo dados da São Paulo Turismo (SPTuris) e da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Nesses locais, podem ser encontradas grifes e marcas internacionais, sendo a Rua Oscar Freire, nos Jardins, um dos destinos procurados pelo público que busca exclusividade, e itens de vestuário mais populares, nas ruas do Bom Retiro e do Brás, na região central.

Equipamentos eletrônicos, de tecnologia e peças de mecânica são encontrados na Santa Ifigênia, também no Centro. Já nas feiras de antiguidades nos bairros de Pinheiros, Bixiga e na Avenida Paulista, os artigos vintage são os destaques.

A praticidade de comprar pela internet não desaqueceu o turismo de compras presenciais em São Paulo. Nem os preços baixos dos produtos chineses, facilmente encontrados na internet e em aplicativos, tiram o turista do “encontro pessoal” com a cidade.

É fácil encontrar agências de turismo em todo o País que oferecem viagens de compras a São Paulo. A maioria é destinada a lojistas e tem as opções “bate-volta” (ida e volta no mesmo dia) e pernoite. O ponto de desembarque mais comum é o Brás. Considerado o maior polo de confecção de roupas do Brasil, as lojas vendem peças masculinas e femininas para adultos, adolescente e crianças, lingeries, moda praia, enxoval e peças de cama, mesa e banho. Ao passar pelo bairro, é possível ver os estacionamentos da região lotados de ônibus que vêm de outros locais.

As compras podem ser feitas em qualquer período, mas é nas pontes dos feriados que se percebe a real atratividade do turismo de compras – enquanto a cidade parece tranquila, as ruas especializadas do comércio registram até quatro vezes mais pessoas do que nos outros dias.

Com o objetivo de reduzir o porcentual de lucro na venda de cada peça para ganhar no volume total, os lojistas da 25 de Março oferecem, a preços populares, artigos de armarinho, papelaria, produtos para festas, brinquedos, itens para casa, bijuterias, acessórios etc. Os Armarinhos Fernando, uma das lojas mais procuradas, têm no Natal a principal data para a rede. De acordo com o gerente dos Armarinhos Fernando, Ondamar Ferreira, cerca de 30% dos consumidores são de fora de São Paulo e, a maioria, de Minas Gerais.