Negócios

20/01/2016

Crise econômica muda perfil do turismo e cria novas estratégias

Com alta do dólar, destinos nacionais apresentam maior procura e viagens encurtam

Crise econômica muda perfil do turismo e cria novas estratégias

Famílias estão encurtando as viagens de férias para reduzir os gastos
(Arte TUTU)

Por Deisy de Assis

A situação econômica do País e a desvalorização do real em relação ao dólar provocaram mudanças no perfil do turismo. Os brasileiros estão investindo mais nos destinos nacionais e reduzindo o tempo de hospedagem. As novidades demandam ações específicas para atrair clientes e negócios para o setor.

Dados da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) apontam que a proporção de vendas entre deslocamentos nacionais e internacionais – que costumava ser equilibrada –, agora é de 75% para os restritos ao País, contra 25% daqueles que alcançam o exterior, em média. “O brasileiro vai continuar a viajar, mas optando por serviços mais baratos e temporadas mais curtas”, afirma o presidente da Abav, Edmar Bull.

Na rede CVC Viagens e Turismo, a procura por cidades nacionais cresceu 5% a partir da metade de 2015. A redução do número de dias da estada outra mudança rapidamente observada. A gerente de vendas da empresa, Luciana Fioroni, conta que também foi veloz a ação em resposta ao novo comportamento do consumidor. “Percebemos esse interesse de encurtar a viagem e, estrategicamente, criamos pacotes que atendem ao perfil procurado, sendo mais atrativos ao cliente.”

Luciana destaca ainda o incremento de iniciativas como a oferta de voos fretados, parcerias com redes hoteleiras e empresas de passeios para reduzir os preços, além de parcelamentos especiais com cartão de fidelidade.

Mais procurados

Entre os destinos com maior procura permanecem no topo da lista alguns como Salvador (BA), Ilhéus (BA) e Fernando de Noronha (PE) – este com pacotes também para a capital –, Recife (PE) e Natal (RN).

Mas a crise econômica ainda provoca expansão da demanda de outros lugares. A agência Acapulco Turismo, com sede em Guarulhos, na Grande São Paulo, constatou alta no interesse por Bonito (MS), que se destaca pelo ecoturismo. Rios cristalinos, cavernas submersas e a apreciação de fósseis de mamíferos debaixo d’água, na Gruta do Lago Azul, são algumas das atrações.

“Outros que passaram a despontar são Olímpia (SP), Caldas Novas (GO), Foz do Iguaçu (PR) e Balneário Camboriú (SC)”, diz a agente de viagens da Acapulco Turismo, Alana Baracho.

A rede CVC chamou atenção ainda para a procura por Jericoacoara (CE). “É um destino que costumava fazer parte de tours pelo Ceará, mas tem sido procurado isoladamente”, menciona Luciana.

Destinos internacionais

Embora o destaque seja para os roteiros dentro do País, o cenário do turismo internacional também apresentou mudanças positivas com a crise, que geram oportunidades.

Cidades como Córdoba, Mendoza, El Calafate e Ushuaia, na vizinha Argentina, têm atraído o interesse do brasileiro, de acordo com a CVC. São opções com bom custo/benefício, uma vez que o peso está desvalorizado frente ao real. Além disso, há companhias aéreas que oferecem voos diretos.

Com a alta do dólar, algumas linhas aéreas tiveram a tarifa reduzida. “No fim de dezembro de 2015, por exemplo, havia companhias oferecendo trechos internacionais que competiam com os nacionais”, lembra Alana.