Negócios

18/03/2019

Decreto que isenta norte-americanos de visto pode aumentar em quatro vezes o volume de visitas ao Brasil, estima FecomercioSP

Segundo a Entidade, essa alta poderia gerar uma injeção de gastos extras de R$ 6,4 bilhões por ano; contudo, é preciso criar políticas públicas coerentes

Decreto que isenta norte-americanos de visto pode aumentar em quatro vezes o volume de visitas ao Brasil, estima FecomercioSP

Para a presidente do Conselho de Turismo, Mariana Aldrigui, a medida vai atrair, principalmente, passageiros que decidem viajar por impulso e motivados por promoções
(Arte: TUTU)

O decreto assinado pelo governo federal na tarde desta segunda-feira (18) que dispensa o visto de entrada no Brasil para turistas de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão é positivo para o País, avalia o Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União e entra em vigor no dia 17 de junho.

O acordo, firmado entre Brasil e Estados Unidos, a fim de isentar unilateralmente a necessidade de visto para os norte-americanos, era uma demanda antiga da Entidade e havia sido divulgada no ano passado aos candidatos à presidência. Segundo o Ministério do Turismo, em 2017, 478 mil turistas americanos entraram em território nacional. No mesmo ano, no Peru, país também distante dos Estados Unidos e com 32 milhões de habitantes (15% da população brasileira), 15% do tamanho do Brasil e que não exige visto aos americanos, entraram 600 mil turistas, segundo a PromPeru.

Veja também:
Conexão voluntária vai beneficiar pequenas e grandes cidades paulistas
Tour sob medida: roteiros segmentados fazem a diferença no turismo
“Bleisure”: viagens que unem trabalho e lazer a funcionários contribuem para os negócios

Para a FecomercioSP, diante da dimensão do Brasil com múltiplos destinos com as mais variadas características de turismo, seria natural afirmar que, em termos proporcionais de tamanho e população, é possível projetar um número até quatro vezes maior que o atual em volume de turistas americanos, o que poderia gerar uma injeção de gastos extras de R$ 6,4 bilhões por ano.

No entanto, sem políticas públicas coerentes e compreensão da dinâmica dos diferentes mercados, esse volume pode não ser atingido, destaca a Entidade. Dessa forma, além da isenção dos vistos para americanos, é necessário pensar em estratégias claras de combate à violência, melhoria das infraestruturas, como rodovias e aeroportos – acelerando as privatizações e concessões –, e também contribuir para a formação de mão de obra qualificada, com aprendizado da língua estrangeira.

O Brasil, ao firmar esse acordo, segue na direção correta de contribuir para o turismo nacional. Para a presidente do Conselho de Turismo, Mariana Aldrigui, "a isenção unilateral beneficia o turismo ao incluir passageiros que decidem por impulso e motivados por promoções. O visto é uma barreira especialmente nesses casos. Outros países com interesses comercial e turístico no Brasil devem ser avaliados, para que se alinhe esse tipo de ação com outras de comércio exterior e parcerias estratégicas para o País".