Negócios

30/05/2014

Empresas descobrem vantagens dos pré-pagos em despesas corporativas

Uso vai desde pagamento de salários de funcionários temporários a premiações em campanhas de vendas

Empresas descobrem vantagens dos pré-pagos em despesas corporativas

A utilização de cartões pré-pagos no pagamento de despesas corporativas começa a se mostrar atraente para as empresas. O pequeno e médio empresário, por exemplo, pode utilizar o cartão pré-pago para substituir o caixa nas compras do dia-a-dia, pagar despesas de representação (viagens, refeições ou diárias em hotel) e remunerar mão de obra terceirizada ou não bancarizada. “Dessa forma, o empresário consegue administrar melhor suas finanças, reduzindo custos e otimizando processos”, indica Marcelo Tangioni, vice-presidente de produtos da MasterCard Brasil e Cone Sul.

Uma das vantagens do cartão pré-pago é a segurança: não há necessidade de realizar saques em caixas eletrônicos, no caixa do banco nem fazer o transporte de papel-moeda. Por meio de uma conta pré-paga, que pode ser administrada pela internet, o empresário pode carregar seu cartão e administrar seus gastos, sem necessidade de comprovação de renda. As tarifas de emissão e utilização do cartão, como recarga e saque, entre outros, variam conforme a empresa emissora.

Outro uso corporativo do cartão pré-pago é para o pagamento de premiação em campanhas de vendas. “É o que mais temos vendido”, comenta Roger Ades, CEO da Agillitas, empresa especializada na prestação de serviços de pagamento pré-pagos, que emite esse tipo de cartão desde 2005. O cartão é emitido e enviado aos “vencedores” da campanha com o valor já depositado. O seu funcionamento é similar ao do cartão de débito – vem com uma senha e o valor é debitado conforme utilizado. Após o valor depositado ser todo gasto, o cartão pode ser descartado.

“Em 2014, a demanda por cartões pré-pagos para pagar salários de funcionários também será grande”, prevê Ades. Segundo ele, o cartão pré-pago para salários é vantajoso para a empresa que tem alta rotatividade de funcionários ou que utiliza mão de obra por período definido em contrato. Por exemplo, empresas que costumam contratar pessoal em épocas específicas, como fabricantes de chocolate que reforçam a mão de obra nas fábricas um pouco antes da Páscoa ou empreiteiras, que contratam funcionários conforme aparecem novas obras.

Segundo ele, a Copa do Mundo no Brasil impulsionou a demanda por este tipo de cartão em 20% neste ano. A procura foi intensificada por empresas de mídia que farão a cobertura do evento esportivo, entre outras. “Mas esperamos que a demanda continue crescendo, pois apesar de ser uma modalidade existente há anos, as empresas estão descobrindo as vantagens agora”, complementa o executivo.

A Copa também foi responsável pelo aumento da procura por essa modalidade de cartão na Brasil Pré-Pagos, empresa fornecedora de soluções de pagamentos. “Mais de 10 empresas grandes que vão prestar serviços relacionados à Copa já contrataram nossos produtos, principalmente, porque estão contratando muitos funcionários temporários para o evento esportivo”, diz Paulo Renato Della Volpe, sócio da Brasil Pré-Pagos. De acordo com ele, uma das principais vantagens é que a empresa define o limite a ser usado por cada funcionário e já recebe um aviso, via SMS, na mesma hora em que o cartão é utilizado. Este modelo é o ideal para quem tem uma equipe comercial grande. “Mesmo nas grandes empresas, o setor comercial pode ter problemas com o controle de gastos”, comenta.

Consumidores

O sistema de pagamento com cartões pré-pago passou a ser atraente para as empresas após a melhora da renda da população e o consequente desejo de consumo maior. Por não precisar estar vinculado a uma conta bancária, o cartão pré-pago é um poderoso instrumento de inclusão financeira e de acesso ao sistema financeiro. Muitos brasileiros conseguiram elevar a renda, mas ainda não têm acesso a crédito, seja por não possuir conta em banco ou por estar com o nome sujo na praça. Segundo dados coletados em abril pelo Banco Central, há mais de 285 milhões de contas bancárias ativas, considerando pessoas físicas e jurídicas e conta corrente, poupança e conta-salário.

De acordo com levantamento realizado pela MasterCard em parceria com a Boston Consulting Group, estima-se que, entre 2015 e 2017, o segmento de pagamentos por meio de cartões pré-pagos deva movimentar US$ 18 bilhões no Brasil. Atualmente, são US$ 2 bilhões - a maior parte gasta em viagens e no pagamento de refeições.