Economia

01/02/2016

Famílias evitam contrair dívidas, mas isso não deve impedir inadimplência

Segundo pesquisa da FecomercioSP, 91,1% dos entrevistados em janeiro não pretendem contrair financiamentos nos próximos meses

Famílias evitam contrair dívidas, mas isso não deve impedir inadimplência


Consumidores estão utilizando economias para quitar dívidas e evitando iniciar novos financiamentos
(Arte/TUTU)

Em janeiro, a intenção das famílias de contrair dívidas ficou praticamente estável. O Índice de Intenção de Financiamento registrou alta de apenas 0,5% na comparação com dezembro do ano passado; se comparado ao mesmo mês de 2015, porém, o indicador retraiu 24,4%.

Os dados são da Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE), elaborada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Segundo a assessoria econômica da Entidade, o resultado do indicador revela que os paulistanos seguem cautelosos na tomada de créditos, e a proporção de entrevistados que não pretendem se endividar nos próximos meses atingiu 91,1%.

O índice de segurança de crédito avançou em relação a dezembro (0,8%) e passou de 76,2 para 76,7 pontos. Na comparação anual, porém, houve retração de 9,2%. Já a segurança de crédito entre os que não possuem dívidas aumentou 5,7% e atingiu 94,4 pontos em janeiro na comparação com o mês anterior, quando alcançou 89,3 pontos.

Entre o grupo dos endividados, o indicador voltou a cair e passou de 64,3 pontos em dezembro para 59,8 pontos em janeiro. Em igual período de 2015, o indicador havia registrado 69,2 pontos. Com a queda da renda e o aumento de desemprego, além da inflação alta, muitos consumidores passaram pelo chamado "efeito do 13º salário", quando os endividados melhoraram suas condições e preferiram utilizar seus aportes para quitar dívidas. Agora, porém, a segurança de crédito entre os consumidores desse grupo voltou a cair.

Para a FecomercioSP, apesar do conservadorismo dos consumidores, a previsão é de aumento da inadimplência no início de 2016, resultado do aumento do desemprego esperado para o período. A Entidade acredita, porém, que, com a cautela dos consumidores (que estão utilizando suas economias para quitar dívidas) e dos bancos (bastante seletivos na concessão de empréstimos desde 2014), o aumento da inadimplência será gradual.

Aplicações

A poupança permanece a preferida dos entrevistados, mas a tendência é de que, enquanto os juros se mantiverem elevados, haja migração para aplicações de renda fixa. O porcentual de entrevistados cuja principal aplicação é a poupança passou de 73,1% em dezembro de 2015 para 67,4% em janeiro, enquanto no mesmo período do ano anterior era de 71,8%.

Segundo a Federação, a poupança voltou a perder um pouco de espaço para renda fixa, fato que deve se acentuar em 2016.  Em janeiro, esta opção foi a preferida de 14,4% dos entrevistados em janeiro, contra 11,6% em dezembro. Em janeiro de 2015, a aplicação era a principal de 15,3% dos paulistanos.

A proporção de entrevistados cuja principal aplicação era a Previdência privada, por sua vez, saltou de 7,5% em janeiro de 2015 para 7,9% em dezembro e 9,3% em janeiro de 2016. Com o envelhecimento da população e o desequilíbrio das contas públicas, inclusive as da Previdência, seria ideal que os poupadores optassem cada vez mais por aplicações voltadas a aposentadoria, como os fundos de previdência privada.