Economia

09/10/2017

Faturamento do setor de serviços paulistano atinge R$ 23,7 bilhões em agosto

Segundo pesquisa da FecomercioSP, é o melhor resultado para o mês dos últimos sete anos

Faturamento do setor de serviços paulistano atinge R$ 23,7 bilhões em agosto

Das 13 atividades pesquisadas, nove apontaram crescimento no faturamento real e garantiram o bom desempenho do setor, com destaque para Agenciamento, corretagem e intermediação (35,7%)
(Arte/TUTU)

Pelo oitavo mês consecutivo, o faturamento real do setor de serviços na cidade de São Paulo apresentou alta em relação ao mesmo mês de 2016. Com receitas de R$ 23,7 bilhões, o aumento foi de 10,6%, aproximadamente R$ 2,2 bilhões a mais do que em agosto do ano passado. É a maior cifra registrada em um mês de agosto pelo setor de serviços paulistano desde 2010. No acumulado do ano, o faturamento real cresceu 4,4%, atingindo R$ 186 bilhões. Nos últimos 12 meses, houve aumento, de 2,1%, segundo resultado positivo após a ligeira alta de julho (0,7%), interrompendo definitivamente as 22 quedas consecutivas anteriores. 

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS), que traz o primeiro indicador mensal de serviços em âmbito municipal, elaborado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados de arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS) do município de São Paulo, fornecidos pela Secretaria Municipal da Fazenda (Sefaz-SP). A cidade São Paulo tem grande relevância nos resultados estaduais e nacionais do setor de serviços, representando aproximadamente 20% da receita total gerada no País.

Veja também
Custo de vida na região metropolitana de São Paulo sobe 0,39% em agosto
Índice de Confiança do Empresário do Comércio alcança 106,2 pontos em setembro
Consumidores não endividados reduzem reservas em setembro e parecem mais propensos a consumir

Das 13 atividades pesquisadas, nove apontaram crescimento no faturamento real em agosto em relação ao mesmo mês do ano passado e garantiram o bom desempenho do setor. Os destaques ficaram por conta das atividades de: Agenciamento, corretagem e intermediação (35,7%); Serviços bancários, financeiros e securitários (32,2%); Saúde (17,4%); Construção civil (15,2%); e Simples Nacional (10,2%). Somadas, elas colaboraram positivamente com 11,2 pontos porcentuais (p.p) para o resultado geral. 

É importante ressaltar que os segmentos de Agenciamento, corretagem e intermediação; Saúde; Simples Nacional; e Serviços bancários, financeiros, e securitários tiveram os maiores resultados históricos para o mês. Segundo a Federação, esses dados evidenciam a tendência de recuperação que se consolida - e também se amplia -, com taxas crescentes de expansão. 

Os resultados menos expressivos foram vistos nas atividades de Turismo, hospedagem, eventos e assemelhados (-20,4%); Técnico-científico (-7,9%); Conservação, limpeza e reparação de bens móveis (-7,4%); e Representação (-0,7%), que, em conjunto, impactaram negativamente com 1,1 ponto porcentual para o resultado geral do setor de serviços na cidade de São Paulo. 

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, a queda da inflação e o ciclo de cortes na taxa básica de juros, variáveis determinantes de consumo, vêm contribuindo para a continuidade do bom desempenho das receitas do setor de serviços no município, o que acaba sendo um bom termômetro da atividade econômica geral. 

A Entidade ressalta, contudo, as necessidades de uma reativação ampla e contínua das demais atividades, do aumento do emprego e da recomposição da renda da população para que se possa ter uma retomada consistente da economia como um todo.