Economia

29/06/2018

Governantes perderam chance de manter avanços no País, afirma Maria Paula Carvalho

Jornalista fala ao UM BRASIL que, antes da crise, Brasil teve conquistas importantes, mas não soube aproveitar todas as possibilidades e ferramentas para continuar avançando

Governantes perderam chance de manter avanços no País, afirma Maria Paula Carvalho

Especialista diz ser necessário priorizar investimentos, equilibrar o orçamento e fazer parte de cadeias de comércio internacional
(Foto: Christian Parente)

Antes da crise, o País teve avanços importantes – deixou para trás a hiperinflação e as altas taxas de desemprego; reduziu a fome; e entrou para o Brics, bloco que une Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul –, mas os governantes não souberam aproveitar todas as possibilidades e ferramentas para fazer com que o Brasil avançasse mais, e o índice de desemprego voltou a subir e houve uma grave recessão. A avaliação é da jornalista Maria Paula Carvalho, em entrevista ao UM BRASIL.

Veja também:
Brasil precisa dobrar investimentos em infraestrutura por 25 anos para aumentar a produtividade
Fazer reforma educacional é um propósito moral, afirma Michael Barber
Investimento público, por si só, não é uma panaceia, diz Ana Paula Vescovi

“Nenhum país antes de nós teve a chance de fazer Copa do Mundo e Olimpíada uma seguida da outra. Para nós, isso foi de certa forma um reconhecimento internacional por todos os avanços social e econômico que vinham sendo verificados. Mas, depois, veio a decepção. Os estádios foram superfaturados e muitas das arenas construídas para a Olimpíada estão abandonadas no Rio de Janeiro”, destaca Maria Paula.

Em entrevista a Humberto Dantas, a jornalista diz que concorda com o pensamento do americano Albert Fishlow, um dos principais brasilianistas da atualidade: o Brasil deveria priorizar investimentos, além de manter um orçamento equilibrado e se integrar em cadeias de comércio internacional.

“O governo teve oportunidade de continuar numa linha de crescimento e, de certa forma, isso se perdeu. Investimos muito em consumo, e não em educação, tecnologia, educação e, principalmente, em infraestrutura”, analisa.

Ela também falou sobre transparência durante a entrevista. “A gente tem uma sociedade que está mais consciente e demanda mudanças. Não há mais espaço para roubalheira e corrupção no Brasil”, conclui, apresentando sua visão da sociedade brasileira após os sucessivos escândalos políticos.

Confira a entrevista na íntegra: