Economia

06/12/2017

Índice de Confiança do Consumidor cresce pelo segundo mês consecutivo e atinge 104 pontos em novembro

Segundo FecomercioSP, o indicador registra alta de 1,1% no mês e cria boas perspectivas para as vendas de Natal

Índice de Confiança do Consumidor cresce pelo segundo mês consecutivo e atinge 104 pontos em novembro

Segundo a assessoria econômica da Federação, as percepções médias dos consumidores registraram uma ligeira queda enquanto as expectativas voltaram a subir

(Arte/TUTU)

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do município de São Paulo atingiu 104,0 pontos em novembro, alta de 1,1% em relação aos 102,8 pontos vistos em outubro. Ainda que na comparação com o mesmo mês de 2016, quando o indicador marcava 110,3 pontos, haja uma redução de 5,7%, o fato da confiança do consumidor ter crescido pelo segundo mês consecutivo abre boas perspectivas de vendas para o Natal. 

O ICC é elaborado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e a escala de pontuação varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total). 

Veja também
Com juros em queda, FecomercioSP aponta sugestões de investimentos
Crescimento da economia internacional favorece recuperação brasileira
Reforma da Previdência deve influenciar oscilação do Ibovespa

Os dois componentes do indicador mostraram comportamentos diferentes em novembro. Após dois avanços seguidos, o ICEA registrou leve queda de 0,8%, ao passar de 73 pontos em outubro para 72,4 pontos em novembro, e o Índice de Expectativas do Consumidor (IEC) avançou 1,9%, registrando 125 pontos em novembro em relação aos 122,7 pontos do mês anterior. No comparativo anual, o ICEA apresentou alta de 20,4%, e o IEC registrou queda de 13%.

Segundo a assessoria econômica da Federação, as percepções médias dos consumidores registraram uma ligeira queda enquanto as expectativas voltaram a subir, itens que, somados, fizeram o índice aumentar. Na comparação anual, o ICC teve a terceira baixa consecutiva, efeito ainda da instabilidade no âmbito político nacional. Entretanto, a recuperação da renda e do emprego já dão sinais mais sólidos em seus resultados, segundo a Entidade, e devem acelerar de forma mais consistente o poder de compra dos consumidores e, consequentemente, a retomada da confiança. 

Gênero e renda

No resultado apurado pelo ICEA, destaca-se a assimetria registrada na classe dos gêneros, o que pode ser interpretado como um ajuste de percepções. O grupo masculino registrou queda de 2,7%, ao passar de 82,8 pontos em outubro para 80 pontos em novembro, e o grupo feminino descreveu alta de 1,5%, passando de 63,8 pontos em outubro para 64,8 pontos em novembro. Outro destaque é o avanço de 6% por parte dos consumidores com idade superior a 35 anos, cuja pontuação passou de 61,8 pontos em outubro para 65,5 pontos em novembro, a maior desde abril de 2015. 

Em relação às expectativas, medido pelo IEC, destaca-se o avanço no grupo de consumidores com renda familiar inferior a dez salários mínimos e também dos consumidores com idade superior a 35 anos. Os grupos assinalaram altas de 3,2%, ao passar de 114,4 pontos em outubro para 118,1 pontos em novembro, e de 3,6%, ao passar de 117,6 pontos em outubro para 121,8 pontos em novembro, respectivamente.