Economia

24/01/2019

Intenção do empresário em investir e contratar mantém ritmo de crescimento

Retomada da confiança de empresários pode refletir no aumento dos investimentos em novas lojas e em contratações ao longo do ano

Intenção do empresário em investir e contratar mantém ritmo de crescimento

Indicador cresceu 1,1% e atingiu 108,8 pontos em janeiro, na comparação com o mês anterior
(Arte: TUTU)

A retomada da confiança de empresários e consumidores no começo de 2019 pode, no curto prazo, ter efeitos práticos reais sobre o desempenho da economia, como aumento dos investimentos em novas lojas e em contratações ao longo do ano.

O interesse no desenvolvimento dos negócios foi registrado pelo Índice de Expansão do Comércio (IEC), calculado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Veja também:
Otimismo do consumidor beneficia empresário que fez boas vendas no Natal
Parcela de famílias paulistanas endividadas em dezembro cai ao menor índice desde fevereiro de 2017
Varejistas devem manter otimismo moderado para as vendas em 2019

O indicador cresceu 1,1% e atingiu 108,8 pontos em janeiro, na comparação com o mês anterior. Em relação ao primeiro mês de 2018, o indicador – que vai de zero a 200 pontos, representando, respectivamente, desinteresse e interesse absolutos em expansão de seus negócios – subiu 9,2%.

De forma geral, a propensão a investir nas empresas da região metropolitana de São Paulo subiu 0,6% e atingiu 87,1 pontos. A intenção de empregar teve elevação de 1,4% na margem em janeiro e registrou 130,5 pontos. A tendência de elevação das propensões a investir e empregar começou em junho do ano passado, ainda que entre agosto e outubro tenha havido queda. A retomada veio somente em novembro.

A confiança dos empresários atingiu 119,2 pontos em janeiro, patamar 5,7% superior ao mês passado. Na análise por porte, a confiança das pequenas empresas (com menos de 50 funcionários) seguiu esse aumento e registrou 118,8 pontos, enquanto que a confiança das grandes empresas (com mais de 50 funcionários) subiu 5,5% e ficou em 136,1 pontos.