Economia

29/01/2016

Investir no verde atrai clientes a estabelecimento de comércio e serviços

Arborização e paisagismo compensam, mas dependem de planejamento e trabalho profissional

Investir no verde atrai clientes a estabelecimento de comércio e serviços

Empresário revitalizou rua da Capital e tornou o local um ponto turístico
(Divulgação)

Por Deisy de Assis

A busca pela sensação agradável proporcionada por ambientes arborizados tem influenciado investimentos no comércio, e resultados no faturamento. Agir em prol da recuperação da infraestrutura verde de seu entorno, por exemplo, é uma iniciativa que pode fazer a diferença na avaliação do cliente. Essa é a opinião da gerente de comunicação e campanhas do Instituto Akatu, Gabriela Yamaguchi.

O argumento de Gabriela é reforçado por pesquisa nacional da entidade. No levantamento, 53% dos entrevistados disseram considerar o cuidado com o meio ambiente a ação mais importante quando se fala de responsabilidade social empresarial. “Iniciativas como recuperações e manutenção de jardins, praças, calçadas e apoio a hortas urbanas são algumas dessas soluções, além da própria área do estabelecimento”, afirma Gabriela.

Um case de sucesso

Na prática, o empresário Walter Mancini constata, há sete anos, o reconhecimento do consumidor e os benefícios para os negócios desde quando tomou a decisão de revitalizar a Rua Avanhandava, no centro de São Paulo, onde mantém estabelecimentos comerciais, incluindo restaurantes, bares e uma pizzaria.

“Não só passei a atrair maior clientela, como a rua ganhou movimentação de pessoas que querem apenas dar uma volta”, conta Mancini, que investiu no paisagismo, com arborização, canteiros, flores e ornamentação da via. A fonte de água com vegetação deu um charme a mais ao local, que se tornou ponto turístico da capital.

Centros comerciais investem

Segundo o especialista em shopping center e varejo e diretor-executivo da Make it Work, Michel Cutait, o investimento em arborização já é visto como parte fundamental nos projetos de centros comerciais, tanto para escolher uma região com mais vegetação quanto para áreas verdes nas dependências do estabelecimento.

“Na medida em que se torna mais consciente, o consumidor percebe que um empreendimento do tipo shopping center precisa garantir não somente um espaço de compras, mas áreas de convivência, de lazer, de entretenimento e de serviços”, diz Cutait.

O especialista menciona que a aposta no verde atrai e fideliza o consumidor, além de valorizar o imóvel. “O aumento do retorno financeiro dos investidores é um resultado que pode ser esperado, conforme os empreendimentos se tornam mais competitivos.”

Planejamento

Mancini alerta, porém, que não basta destinar recursos para o verde. Para ele, é preciso pensar em qualidade, o que depende de planejamento e trabalho profissional. “Deve-se pensar na questão paisagística como um todo, de forma organizada, com o critério de um especialista, não investir aleatoriamente.”

O empresário afirma que, além da estética, há necessidades específicas a serem atendidas, entre as quais o tipo de planta a ser escolhida, em que ponto cada espécie se adapta melhor e a distância entre uma árvore e outra.

“Isso tudo demanda investimento, mas vale a pena. Eu tenho certeza que a revitalização da Avanhandava foi o melhor que já fiz para os meus negócios e para a cidade”, diz Mancini.