Legislação

23/11/2018

Oportunidade de estágio para idoso amplia contribuição da terceira idade ao mercado de trabalho

Evento realizado na FecomercioSP traz palestrantes para falar sobre emprego e empreendedorismo após os 60 anos e os desafios da longevidade

Oportunidade de estágio para idoso amplia contribuição da terceira idade ao mercado de trabalho

Idoso oferece inúmeros aspectos positivos ao ambiente profissional, qualquer que seja
(Arte: TUTU)

Com o avanço da faixa etária da população brasileira e a presença de aposentados no mercado de trabalho, é possível afirmar que a chamada “terceira idade” passa por um momento de reinvenção. É que nessa fase da vida, muitas das pessoas com mais de 60 anos decidem tomar novos rumos. Esses novos caminhos serão debatidos no evento “O trabalho do idoso no Brasil hoje e amanhã”, que será realizado no dia 30 de novembro, na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Para participar, basta se inscrever aqui.

A lei contribui para esse novo período da maturidade ao permitir a contratação do idoso como estagiário, por exemplo, desde que este esteja em um curso regular. A Lei do Estágio exige a assinatura de um termo de compromisso entre a instituição de ensino (médio ou superior), a empresa e o estudante. A jornada de trabalho é de até 30 horas semanais, limitadas a seis horas diárias, e o período de estágio é limitado a dois anos.

Veja também:
Evento discute empreendedorismo e mercado de trabalho para idosos no Brasil

As empresas que não seguem o modelo da Lei do Estágio podem fazer o contrato previsto na CLT. Essa opção encarece o custo da contratação, mas torna desnecessário o vínculo com uma instituição de ensino, bem como de seguir as regras de jornada de trabalho reduzida.

Para a psicóloga social e consultora do Senac São Paulo para empreendedorismo na maturidade 50+, Mara Sampaio, o idoso oferece inúmeros aspectos positivos ao ambiente profissional, qualquer que seja.

“Idosos têm mais maturidade emocional, o que complementa muitas das características de inovação e adaptabilidade que o jovem tem. Outro ponto importante é que ele já teve uma vida de trabalho percorrida e preza muito pela autonomia – traço essencial das empresas modernas”, explica.

As vantagens para os idosos está em, além de ter uma fonte de renda, manter relações em um ambiente intrageracional. “Mesmo que o idoso tenha tido no passado uma carreira de executivo ou de chefia, voltar ao ambiente de trabalho como estagiário, por exemplo, faz com que ele fique mais livre para se relacionar com pessoas de nova geração. Conviver com pessoas é importante para a longevidade saudável.”

A especialista afirma que estar em um momento de vida focado no presente e mais tolerante ao risco (com menos necessidade de segurança profissional) faz com que as pessoas acima de 60 anos se arrisquem mais, e uma das alternativas é empreender. “Tudo o que não pôde ser feito anteriormente, quando o modelo de trabalho era vinculado a outras responsabilidades sociais, pode ser colocado em prática nessa fase de vida”, ressalta.

Além de Mara, estão entre os palestrantes do evento “O trabalho do idoso no Brasil hoje e amanhã” o presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da FecomercioSP, José Pastore, responsável pela abertura e pelo encerramento do encontro; o professor sênior da FEA-USP e coordenador do projeto Salariômetro da Fipe, Hélio Zylberstajn; o presidente do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon, Nilton Molina; o CEO e fundador da Maturijobs, Morris Litvak; e o CEO e fundador da 50Mais Courier Senior, Pedro Wilson Viana Leitão.

Serviço:
Evento: O trabalho do idoso no Brasil hoje e amanhã
Data: dia 30 de novembro.
Horário: das 8h às 12h30.
Endereço: Rua Doutor Plínio Barreto, 285 – Bela Vista.