Editorial

17/05/2017

Presidente do Sindtur de Ribeirão Preto diz que Estado brasileiro precisa ser reformado com prioridade

Em artigo, Aguinaldo Rodrigues ressalta que não se quer suprimir direitos e sim ver o País se desenvolver de forma atualizada

Presidente do Sindtur de Ribeirão Preto diz que Estado brasileiro precisa ser reformado com prioridade

Para Silva, a negociação entre as partes, que norteia a proposta da reforma trabalhista, virou a palavra-chave, mas a sociedade deve se manifestar para que a lei seja representativa
(Reprodução/FreePik)

Aguinaldo Rodrigues da Silva

O Estado Brasileiro necessita passar pelas reformas que estão em curso. Esse é um antigo discurso que agora ganhou a prática, felizmente. E vem colocando a sociedade em diálogo. A crise econômica exige sim novo posicionamento governamental para que a estrutura do País se modernize, cresça e dê conta de garantir Previdência Social aos brasileiros de maneira realista e eficiente. 

A reforma trabalhista, por exemplo, aprovada recentemente pela Câmara dos Deputados e atualmente em discussão no Senado, precisava ser enfrentada, pois alguns mecanismos estão ultrapassados diante da realidade das relações do trabalho.

Veja também:
Projeções para 2017 são acompanhadas de novo espírito otimista, afirma Abram Szajman
"Crise econômica exige modernização da legislação trabalhista", diz presidente do TST
“Brasil deve retomar o caminho das reformas”, aponta professor de Estudos Brasileiros

Ela é extremamente inovadora já que garante os direitos não só para os empregos diretos, mas também para os temporários e terceirizados. Uma tendência que cresce a cada dia em todos os segmentos, que é muito positivo.

Empresários e trabalhadores poderão negociar acordos coletivos com mais liberdade. Entendemos que a negociação entre as partes virou a palavra-chave. Mas ela ainda está aberta e a sociedade, como os empresários e representantes dos trabalhadores, devem se manifestar para que essa lei seja representativa.

Por conta disso, recentemente, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e demais instituições representativas da indústria, comércio e serviços, segmentos que respondem por parcela significativa do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e pela geração de milhões de empregos, uniram-se para divulgar seu primeiro manifesto conjunto, em defesa de medidas que consideram primordiais para o crescimento sustentável do País.

Essa movimentação tem como finalidade tornar público o posicionamento de instituições representativas em prol das reformas previdenciária e trabalhista. Esse debate democrático é muito bem-vindo, além de necessário ao abordar temas que carecem de aprofundamento. O momento é de posicionamento e de participação.

Isso é muito significativo e o Senado deve respeitar as partes, indistintamente, criando alternativas que permitam o crescimento do Estado, garantia de emprego, renda e qualidade de vida a todos. Não se quer suprimir direitos e sim ver o País se desenvolver de forma atualizada. 

Aguinaldo Rodrigues da Silva é presidente do Sindicato de Turismo, Hospitalidade, Serviços e Mercado Imobiliário de Ribeirão Preto e Região (Sindtur Ribeirão Preto)