Sustentabilidade

21/08/2018

Quase metade dos paulistanos desaprova qualidade da manutenção de praças e parques

Pesquisa que integra a série “Viver em São Paulo” mostra a percepção dos entrevistados em relação a temas importantes que afetam a vida na capital paulista

Quase metade dos paulistanos desaprova qualidade da manutenção de praças e parques

Paulistano gosta de ocupar parques e praças, mas quase a metade dos entrevistados avalia negativamente a preservação e manutenção desses locais
(Arte: TUTU)

O paulistano gosta de ocupar os parques e praças espalhados pela cidade, mas a avaliação sobre esses espaços é negativa, segundo aponta a pesquisa “A cidade e o meio ambiente”, que integra a série “Viver em São Paulo”. Quase a metade dos entrevistados (48%) desaprova a preservação e manutenção desses locais. Outros 41% consideram regular e apenas 11% a classificam como boa ou ótima.

O levantamento da Rede Nossa São Paulo e do Ibope Inteligência, em parceria com o Sesc, captou a percepção dos moradores de São Paulo com a questão socioambiental. A assessora técnica do Conselho de Sustentabilidade da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Cristiane Cortez, entende a avaliação feita pelos entrevistados, mas diz que mais participação dos visitantes pode contribuir para a melhoria da limpeza nesses espaços.

Veja também:
Moradores da Bela Vista aprovam revitalização da Praça 14 Bis promovida pela FecomercioSP em parceria com a prefeitura
Parque Ibirapuera ganha coletor de lixo eletrônico

“O Poder Público é responsável por parte desse cuidado, e deve ser feito rigorosamente, mas a população também precisa se sentir parte e assumir sua responsabilidade: não deixando resíduos espalhados nesses locais ou fazendo uso impróprio dos equipamentos de ginástica e dos brinquedos, por exemplo”, diz.

Parceria
A parceria com a iniciativa privada pode contribuir para a melhora desse quadro. A Praça Gino Struffaldi, popularmente conhecida como “Praça 14 Bis", por exemplo, passou por um projeto de revitalização sob a responsabilidade da FecomercioSP, em parceria com a prefeitura da capital. As obras começaram em novembro do ano passado, por meio do programa Adote uma Praça, que consiste na preservação de áreas verdes da capital por pessoas físicas ou jurídicas.

A reforma incluiu limpeza das áreas verdes, corte de grama, manutenção da vegetação e adubação e o espaço foi reinaugurado em março deste ano. O projeto também contou com o plantio de 15 espécies de flores e a instalação de bancos e de novos itens no playground. A praça ficará sob a responsabilidade da Entidade por 12 meses.

Materiais recicláveis
Outro ponto levantado pela pesquisa é que 57% dos entrevistados dizem separar os materiais recicláveis dos não recicláveis em casa, enquanto 42% afirmaram não fazer a separação. Outros 2% não sabem ou não responderam a essa questão. Dos que fazem a separação, 66% usam caminhões da prefeitura e catadores de rua como os meios para o descarte dos resíduos.

Poluição do ar
Outra conclusão importante é que o paulistano apoia a aplicação de medidas de controle de circulação dos veículos na cidade: 76% dos pesquisados se declararam favoráveis à adoção de medidas, 20% são contra e 4% não sabem ou não responderam.

Cristiane enfatiza que se a população tem esse olhar, medidas nesse sentido seriam bem-aceitas. “Mas o transporte público precisa ser de boa qualidade para que as pessoas percebam que podem dispensar o uso do veículo próprio nos deslocamentos diários. Isso é fundamental para abrir o diálogo com os cidadãos para propor mudanças”, aponta.

Os entrevistados apontam o retorno da inspeção veicular ambiental (30%) como o principal fator que poderia contribuir para isso. Limitar a circulação de veículos em algumas ruas e avenidas do centro expandido da cidade ficou em segundo lugar (21%) e ampliar o horário de duração do rodízio na cidade, em terceiro (16%).

Discussão
Debater o tema da qualidade de vida na capital paulista é buscar caminhos coletivos para melhorar condições de vida na maior cidade do Brasil. Por isso, o Sesc criou espaços para o debate aberto ao público, com a participação de especialistas, ativistas e representantes da sociedade civil, além de intervenções artísticas que dialogavam com os conteúdos apresentados.

Ao longo de 2018, todo mês, nas unidades do Sesc, é feita uma apresentação de um tema diferente e importante. Em junho, o tema “meio ambiente” foi apresentado no Sesc Interlagos, na zona sul da cidade, mês em que a pesquisa foi apresentada.