Economia

24/11/2017

Roberto Azevêdo discute o papel das novas tecnologias no crescimento econômico

Embaixador e secretário-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) afirma ao UM BRASIL que blockchain e inteligência artificial podem alavancar a economia mundial

Roberto Azevêdo discute o papel das novas tecnologias no crescimento econômico

Azevêdo ressalta que o Acordo de Facilitação de Comércio pode reduzir os custos comerciais em 14%
(Foto/TUTU)

As novas tecnologias como blockchain e inteligência artificial podem auxiliar no processo de crescimento econômico, segundo o embaixador e secretário-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo. Em conversa com Thais Herédia para o canal UM BRASIL, ele destaca que a tecnologia pode, por outro lado, provocar de certa forma uma retórica protecionista, sendo parte baseada nas intenções de mercado de trabalho. “Os empregos são perdidos em função de novas tecnologias, do aumento de produtividade, entre outros motivos, mas não se trata de rejeitar as novas tecnologias. Nós devemos abraçar essas novas tecnologias e encontrar maneiras de lidar com ela”, diz.

Veja também:
Especialistas debatem as perspectivas da política externa brasileira
Daniel Bell discute meritocracia e experimentalismo chineses
“O Brasil é o mercado financeiro mais seguro do mundo, mas isso tem um custo”, diz Rodrigo Zeidan

Azevêdo ressalta na entrevista que a OMS está implantando o Acordo de Facilitação de Comércio, que busca conferir maior transparência na relação entre governos e operadores de comércio exterior e reduzir impactos burocráticos sobre importações e exportações. A aceleração nos procedimentos alfandegários está relacionada a digitalização e pagamentos eletrônicos, por exemplo. As mudanças podem reduzir os custos comerciais em 14%, em média.

O secretário-geral da OMC disse na entrevista que a instituição se preocupa com que o comércio internacional chegue ao cidadão comum e às pequenas empresas. Isso seria possível por meio da tecnologia, que facilitaria o acesso à informação das médias e pequenas empresas. “Nós estamos com uma agenda de inclusividade, que é como fazer para que o comércio internacional não seja uma exclusividade das grandes empresas”, explica.

A entrevista foi realizada em parceria com a Intelligent Tech & Trade Initiative (ITTI), um projeto da ICC Brasil – a Câmara de Comércio Internacional.

Acompanhe a entrevista completa: