Editorial

15/04/2015

Sesc inaugura em Jundiaí sua 36ª unidade no Estado de São Paulo

Com 30 mil m² de área construída, nova unidade será aberta neste sábado, dia 18, a partir das 10h, e oferecerá atividades de cultura, educação, esportes, lazer, saúde e alimentação

Sesc inaugura em Jundiaí sua 36ª unidade no Estado de São Paulo

O município de Jundiaí, a 60 quilômetros da capital paulista, abrigará, a partir deste sábado, dia 18, uma unidade do Sesc, a 36ª da rede no Estado de São Paulo. Com 30 mil m2 de área construída, em projeto arquitetônico sustentável e de acesso universal, o novo espaço oferecerá atividades diversificadas de cultura, educação, esportes, lazer, saúde e alimentação.

Localizada ao lado do Jardim Botânico da cidade, e com vista para a reserva da Serra do Japi, a unidade se integra à paisagem e ao cotidiano de Jundiaí, ao incorporar o verde em torno de seu edifício. A construção propõe o uso de estruturas transparentes, em vidro, além da fluidez dos espaços entre os ambientes interno e externo.

“A inauguração do Sesc Jundiaí, a 36ª unidade no Estado de São Paulo, consolida o compromisso da instituição em promover o bem-estar social e a qualidade de vida para os trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo, prioritariamente, e da comunidade como um todo. Trata-se de um espaço de vivência da pluralidade de linguagens e da diversidade de atividades, sempre numa perspectiva de ação educativa, norteadora do trabalho do Sesc”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc em São Paulo.

Pautado pelo propósito da educação não formal, o Sesc passa a atuar também na região de Jundiaí com programas permanentes nas áreas de educação, por meio de seminários, congressos e encontros; diversidade cultural, na qual está presente a pluralidade de grupos e linguagens artísticas; valorização social, com ações inclusivas e coletivas; turismo social, discutindo e refletindo sobre diferentes pensamentos e culturas; encontros intergeracionais; educação para a infância e juventude; e trabalho social com idosos. Os programas também estimulam o uso criativo e cotidiano dos aparatos tecnológicos, no espaço de Tecnologias e Artes; alimentação, com trabalho formativo para escolhas saudáveis, com aproveitamento integral dos alimentos e identificação cultural do processo alimentar; e o desenvolvimento físico-esportivo, com espaço e orientações para a prática de esportes diversos.

Estrutura

Em cinco pavimentos, a unidade dispõe de salas de ginástica, quadra poliesportiva, campo de futebol, teatro (com 222 assentos), espaço de exposições, comedoria e café. O ginásio, em formato de arena e instalado na construção em forma de cilindro, tem capacidade para 758 pessoas, atendendo às diferentes modalidades de eventos esportivos e culturais. O conjunto aquático é composto por piscinas recreativa e infantil, descobertas e climatizadas; piscina semiolímpica infantil coberta e aquecida; deck e solário. Além disso, os frequentadores terão acesso ao espaço de brincar, destinado a crianças até seis anos de idade, acompanhadas do responsável; biblioteca, com um acervo de 5 mil títulos; e serviços da clínica odontológica, disponíveis exclusivamente para os trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes.

O terraço, localizado na cobertura, conta com ambiente paisagístico, áreas de estar e convívio cobertas e descobertas e espaço para atividades de lazer. De lá se avistam parcialmente o centro urbano de Jundiaí, o Parque Jardim Botânico, o Rio Jundiaí e a Reserva da Serra do Japi. O estacionamento, no subsolo, conta com 124 vagas para automóveis e 30 para motos e dispõe de vagas especiais para pessoas com deficiência. A unidade também oferece 54 vagas descobertas para bicicletas – para usá-las é necessário trazer o próprio sistema antifurto.

Projeto sustentável

O projeto de construção do Sesc Jundiaí, assinado pelas arquitetas Christina de Castro Mello e Rita Vaz, seguiu conceitos atuais de sustentabilidade, respeitando as características do terreno e a integração com a natureza em seu entorno. Foram concebidos três blocos com destinações espaciais distintas e interligados por acessos. “Concebemos um bloco horizontal curvo com dois pavimentos que tangencia o bloco cilíndrico de maior altura, criando, neste encontro, vazios em que os espaços de atividades distintas se encontram e se articulam”, explicam as arquitetas.

O projeto explorou, ainda, a transparência, com a utilização do vidro, o que permitiu melhor aproveitamento da luz natural e, por consequência, do consumo de energia. A mesma lógica foi aplicada na circulação do ar, com sistema de ventilação cruzada, criando corrente constante de ar.

A unidade possui sistema de captação e armazenagem de água da chuva que, após tratamento adequado, é utilizada para a descarga dos banheiros, lavagem de pisos e irrigação dos jardins. Este último sistema é automatizado e tem a vazão adequada à real necessidade.

Os pontos de consumo com torneira dos lavatórios e duchas possuem acionadores com dispositivos de fechamento automático e a água utilizada nas duchas já chega no ponto de consumo na temperatura adequada ao banho. Sem qualquer desperdício, este sistema é automatizado e regula a temperatura da água segundo a temperatura externa, garantindo conforto, segurança de operação e baixo consumo de água e energia elétrica. A unidade utiliza energia solar e aproveita o calor do sistema de ar-condicionado para aquecimento da água.

As piscinas possuem sistema de reaproveitamento da água que transborda do tanque pelo movimento, minimizando os eventuais desperdícios. O mesmo ocorre com a fonte lúdica, que está incorporada à matriz energética e ao sistema de placas solares para aquecimento da água.

“O projeto arquitetônico traduz espacialmente o trabalho do Sesc, no sentido de integrar atividades artísticas, culturais, esportivas, de alimentação e de promoção do bem estar, sem hierarquias e distinções, promovendo os múltiplos encontros”, afirma o diretor Danilo Santos de Miranda.