Economia

27/04/2018

Setor de serviços paulista tem o melhor desempenho mensal na geração de vagas formais em quatro anos

De acordo com a FecomercioSP, 33.749 novos postos de trabalho foram criados em fevereiro

Setor de serviços paulista tem o melhor desempenho mensal na geração de vagas formais em quatro anos

As 12 atividades que compõem a pesquisa geraram empregos com carteira assinada em fevereiro deste ano
(Arte/Tutu)

O setor de serviços do Estado de São Paulo teve o melhor desempenho mensal em geração de vagas em quatro anos – quando, em fevereiro de 2014, foram gerados 57 mil empregos. Em fevereiro deste ano, foram abertas 33.749 novas vagas, resultado de 205.997 admissões e 172.248 desligamentos. Assim, o setor de serviços encerrou o mês com um estoque ativo de 7.349.791 empregos celetistas, crescimento de 0,4% em relação ao mesmo período de 2017.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Setor de Serviços do Estado de São Paulo (PESP Serviços), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Veja também
Comércio atacadista paulista abre 849 vagas formais em fevereiro, o melhor desempenho para o mês desde 2014, aponta FecomercioSP
Comércio varejista no Estado de São Paulo fecha vagas com carteira assinada pelo segundo mês consecutivo
Índice de Estoques tem alta de 1,1% em abril, porém, por maus motivos, aponta FecomercioSP

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, as 12 atividades avaliadas geraram empregos com carteira assinada no mês, com destaque para os serviços educacionais, que abriu 15.006 vagas; e para a administração pública, defesa e seguridade social, com 4.443 novas vagas.

Em relação a fevereiro de 2017, sete atividades registraram aumento do estoque de empregados, com destaque para os serviços profissionais, científicos e técnicos; e médicos, odontológicos e serviços sociais, ambos com uma taxa de 2,4%. Por outro lado, destacaram-se negativamente os segmentos de outras atividades de serviços (-1,2%); transporte e armazenagem; e arte, cultura e esporte (ambos os últimos com -0,4%).

De acordo com a Federação, ainda o que resultado seja impulsionado pelos serviços educacionais em decorrência do início do ano letivo, é nítido e consistente o cenário de recuperação e expansão do mercado de trabalho formal com todas as atividades analisadas exibindo saldo positivo de empregos no mês. A reação ainda é tímida e longe de repor os empregos perdidos ao longo da crise, em 2015 e 2016, mas geram uma expectativa otimista para 2018.

Capital paulista
O setor de serviços paulistano abriu 11.001 novas vagas em fevereiro. Apenas duas das 12 atividades pesquisadas registraram mais desligamentos do que admissões. O segmento de serviços médicos, odontológicos e sociais eliminou 703 postos de trabalho, e o de administração pública, defesa e seguridade social encerrou 14 vagas. Do lado positivo, assim como observado no Estado, destacaram-se os serviços educacionais (5.878 postos de trabalho); e serviços profissionais, científicos e técnicos (1.355 vagas).

No saldo acumulado de 12 meses, foram criados 19.027 postos de trabalho no setor de serviços paulistano. É a sexta vez, desde os 12 meses finalizados em julho de 2015, que se registra aumento de empregos nessa base. Os destaques no período ficaram por conta dos serviços médicos, odontológicos e sociais (6.880 vagas); e profissionais, científicos e técnicos (5.780 vínculos). Já os setores de outras atividades (-1.921 postos de trabalho); e de transporte e armazenagem (-1.632 empregos) tiveram os piores desempenhos no mesmo período.