Negócios

29/05/2018

Turismo na capital paulista deve perder R$ 104 milhões com paralisação dos caminhoneiros, estima FecomercioSP

Segundo o Conselho de Turismo da Entidade, caso o problema não seja resolvido, a atividade turística durante o feriado de Corpus Christi poderá ser afetada

Turismo na capital paulista deve perder R$ 104 milhões com paralisação dos caminhoneiros, estima FecomercioSP

O atual cenário faz com que as pessoas evitem viagens de carro e demais transportes, além de influenciar hospedagem, eventos e demais ações relacionadas ao turismo
(Arte: TUTU)

O Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) estima que o setor de turismo na cidade de São Paulo pode acarretar perda de R$ 104 milhões no faturamento com a paralisação dos caminhoneiros. A estimativa é baseada nos dados da Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços (PCSS) da FecomercioSP, com a análise do Grupo 13, que envolve as atividades de hotelaria; agências de turismo; excursões; planejamento e organização de feiras, festas e congressos; entre outras.

Para Mariana Aldrigui, presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, o atual cenário faz com que as pessoas evitem viagens de carro e demais transportes, além de influenciar hospedagem, eventos e demais ações relacionadas ao turismo. "O impacto negativo está sendo subestimado, pois seria ainda maior se fossem incluídos setores como de locação de veículos, espetáculos, transportes etc.", afirma.

Veja também:
Setor de turismo fecha 207 vagas formais em fevereiro, o terceiro saldo negativo consecutivo
Conselho de Turismo da FecomercioSP é contrário ao projeto de lei que limita preço de passagem aérea
Turismo nunca integrou a política de desenvolvimento nacional, diz Mariana Aldrigui

A presidente do Conselho ressalta que, embora bastante resiliente, o setor de turismo tem como característica ser o primeiro alvo dos cortes e um dos últimos a se recuperar em situações de paralisações. Para Mariana, há uma crise enorme de abastecimento de produtos básicos, como alimentos e remédios, com transporte público com funcionamento parcial, e prejuízos generalizados, porém, como a economia está em ritmo lento de recuperação, cada dia de greve provoca perdas monetárias e dificuldades na geração de novos empregos.

Na análise do Conselho de Turismo, caso não haja solução do problema nos próximos dias, a atividade turística durante o feriado de Corpus Christi poderá ser afetada, assim como os principais eventos da cidade, como a Parada do Orgulho LGBT e o tradicional turismo de compras, característico dos feriados prolongados.

"Os consumidores que já têm viagem marcada devem contatar companhias aéreas e de ônibus, locadora de veículos, hotéis e pousadas para verificar o status de funcionamento, abastecimento e de infraestrutura", orienta Mariana.