Negócios

15/03/2018

Turismo nunca integrou a política de desenvolvimento nacional, diz Mariana Aldrigui

Para presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, falta um conjunto de ações do governo para que o setor se desenvolva de forma eficaz

Turismo nunca integrou a política de desenvolvimento nacional, diz Mariana Aldrigui

Especialista afirma ser preciso tornar as cidades mais interessantes para todos – moradores, visitantes e investidores
(Arte: TUTU)

O desenvolvimento do turismo depende diretamente de ações e planejamento do Estado. No Brasil, as políticas públicas não priorizam o setor, apesar das muitas possibilidades do País. Na visão da presidente do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), Mariana Aldrigui, o Turismo nunca integrou efetivamente a política de desenvolvimento nacional. 

“Somos um péssimo exemplo para a gestão pública do turismo, quando se fala em termos nacionais. Obviamente há cidades com modelos bem-sucedidos, inclusive com prêmios internacionais, mas muitas vezes ignoradas pelas ‘autoridades’ do setor”, critica.

Veja também:
Alternativas de hospedagem no Carnaval ampliam impacto positivo da atividade turística
Com calendário de eventos o ano inteiro, Caraguatatuba tem como desafio reduzir efeitos da sazonalidade
Com nova gestão, Conselho de Turismo da FecomercioSP estuda políticas e parcerias para desenvolver turismo nacional

Segundo a especialista, a desimportância do setor fica evidente pelo baixo orçamento das pastas e pelo fato de que, por vezes, os presidentes dão pouca atenção à gestão desse segmento. “Houve casos de ministro de Turismo que nunca foi atendido pela presidente durante seu mandato”, ressalta Mariana.

Para que o turismo brasileiro tenha um salto qualitativo e, depois, quantitativo, a presidente do Conselho de Turismo FecomercioSP afirma que os poderes Executivo e Legislativo precisam de mais informação séria e fundamentada sobre o setor, como indicadores de impacto da atividade, representação no Produto Interno Bruto (PIB), entre outros.

“Para que o turismo seja um dos itens de uma política de Estado, é necessário que os líderes saibam o que é turismo, não de um ponto de vista da sua prática particular, mas de suas características como instrumento de desenvolvimento em diferentes escalas, estímulo à melhoria da infraestrutura nacional e consequente geração de mais emprego e distribuição de renda”, diz Mariana.

Também professora no curso de Lazer e Turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH-USP), Mariana diz ainda que o turismo pode e deve ser incluído em projetos de diferentes pastas, como Desenvolvimento, Relações Exteriores, Comércio Exterior, Indústria e Comércio, Infraestrutura, Meio Ambiente, Educação, e não apenas em uma pasta específica ao tema. 

“A compreensão da atividade deve ser a mesma entre os representantes do governo para que se possa, sempre, incluir o visitante nas ações, projetar sobrecarga em cidades com mais visitantes, pensar sinalização em diferentes idiomas e contemplar seriamente os aspectos de segurança pública.”

Para Mariana, é fundamental que as equipes técnicas do Estado sejam, de fato, competentes em suas áreas e que os projetos sejam de alcance amplo, e não apenas para turistas. “É muito difícil pensar em ações específicas de turismo em um país cuja imagem está cada vez mais manchada pelas notícias de corrupção e de violência urbana. Promoção pura e simples não atrai turista, mas informação, sim. O que interessa é tornar as cidades mais interessantes para todos – moradores, visitantes, investidores”, finaliza.

O tema “turismo como política de Estado” será debatido no Seminário Turismo e a Internacionalização do Brasil, evento promovido pela Folha, nesta quinta-feira (15), na Pinacoteca de São Paulo. Mariana Aldrigui participará do evento e, juntamente com outros especialistas da área, debaterá os pontos positivos e as barreiras do setor no Brasil.