Economia

30/01/2019

Varejo da região de Osasco cria 2.159 empregos formais em novembro

Segundo a FecomercioSP, a região encerrou o mês com estoque ativo de 136.659 vínculos

São Paulo, 30 de janeiro de 2019 – O comércio varejista da região de Osasco criou 2.159 empregos formais em novembro, resultado de 6.588 admissões contra 4.429 desligamentos. Nos 11 meses do ano, 2.560 postos de trabalho foram abertos. No acumulado dos últimos 12 meses, 2.283 empregos foram criados. Com esse desempenho, o estoque ativo do comércio varejista da região registrou 136.659 vínculos empregatícios ativos, aumento de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado, o segundo melhor desempenho entre as 16 regiões analisadas no Estado.

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Das nove atividades analisadas, quatro sofreram retração no estoque de vínculos em comparação com novembro de 2017, com destaque para lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1%); e materiais de construção (-0,8%). Por outro lado, os segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (5,2%); e concessionárias de veículos (3,6%) apontaram as maiores variações positivas na mesma base de comparação.

Desempenho estadual
Em novembro, o comércio varejista no Estado de São Paulo abriu novos postos de trabalho pelo quarto mês consecutivo. No período, foram criados 23.453 empregos formais, resultado de 88.233 admissões contra 64.780 desligamentos. Foi o segundo melhor saldo para novembro desde 2012. Com esse desempenho, o setor encerrou o mês com um estoque ativo de 2.097.783 vínculos empregatícios, leve alta de 0,5% em relação a novembro do ano passado. No acumulado de 12 meses, o saldo também foi positivo (9.499 vagas).

No comparativo anual, seis das nove atividades analisadas apontaram crescimento do estoque de empregados em relação ao mesmo mês do ano anterior, com destaque para os segmentos de farmácias e perfumarias (2,4%); e de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (1,7%). Por outro lado, os setores de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1,1%); outras atividades; e materiais de construção (os três com -0,5%) sofreram as maiores quedas na mesma base comparativa.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o desempenho do mês de novembro é o mais positivo do mercado de trabalho no comércio varejista em decorrência do aumento do quadro funcional para o Natal, principal data do setor – o que ocorreu de forma mais positiva do que o aguardado. Esperava-se que a geração de vagas no mês ficasse entre 15 e 18 mil postos de trabalho (o saldo foi de mais de 23 mil novos vínculos).

Para a Entidade, as definições do campo político, aliadas a inflação mais baixa, juros baixos, confiança se elevando e desemprego diminuindo, fizeram com que o consumo das famílias voltasse a se inflar. Com isso, o desempenho das receitas dos estabelecimentos comerciais cresceu e garantiu a continuidade da geração de emprego no varejo paulista, ainda que de forma tímida, em relação às mais de 106 mil vagas perdidas em 2015 e 2016 (juntos), mas mais acelerada do que o esperado.

Região de Osasco
Barueri, Caieiras, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Embu, Embu Guaçu, Francisco Morato, Franco da Rocha, Itapecerica da Serra, Itapevi, Jandira, Juquitiba, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana do Parnaíba, São Lourenço da Serra, Taboão da Serra, Vargem Grande Paulista.

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos; materiais de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; supermercados; e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).