Economia

19/06/2017

Varejo no Estado de São Paulo volta a criar empregos em abril após quatro saldos mensais negativos consecutivos

Segundo pesquisa da Entidade, foram abertos 1,57 mil postos de trabalho em abril, o melhor resultado para o mês desde 2012

Varejo no Estado de São Paulo volta a criar empregos em abril após quatro saldos mensais negativos consecutivos

Em abril, após quatro saldos mensais negativos consecutivos, o varejo paulista abriu 1,57 mil postos de trabalho
(Arte/TUTU)

O comércio varejista no Estado de São Paulo dá novas provas que o cenário econômico atual segue se recuperando e dando ânimo ao setor para contratar mais funcionários e esperar pelo aumento das vendas. Em abril, após quatro saldos mensais negativos consecutivos, o varejo paulista abriu 1,57 mil postos de trabalho, resultado de 66,83 mil admissões e 65,26 mil desligamentos - o melhor resultado para o mês desde 2012. Esse foi o primeiro saldo positivo desde novembro de 2016, quando impulsionado pela contratação de temporários para o Natal, o setor gerou 15.772 empregos. Com isso, o varejo paulista encerrou o mês de abril com 2.054.084 trabalhadores formais, queda de 0,9% na comparação com abril de 2016, e apesar de ainda ser negativa, essa taxa caiu pela décima vez seguida e de forma acelerada, já que, em junho de 2016, a taxa de retração do mercado de trabalho varejista paulista estava em 3,5%. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 18.687 empregos com carteira assinadas.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Veja também:
Varejo paulista fatura R$ 50,3 bilhões em março, alta de 4,3% na comparação com o mesmo mês de 2016
Atacado paulista volta a gerar empregos em abril e estoque de funcionários alcança 491.721 trabalhadores
Apesar de queda de 0,8% nas vendas em fevereiro, varejo paulista segue trajetória de recuperação neste ano

Entre as nove atividades pesquisadas, apenas farmácias e perfumarias (2,3%) e supermercados (1,6%) apresentaram crescimento no número total de empregos em abril, na comparação com o mesmo mês de 2016. Por outro lado, os piores desempenhos foram registrados nos segmentos de concessionárias de veículos (-4,1%), materiais de construção (-3,6%) e lojas de móveis e decoração (-3,5%).

Observando os dados por ocupações, vendedores e demonstradores (1.032 vagas) e embaladores e alimentadores de produção (736 vagas) registraram os maiores saldos positivos.

Segundo a FecomercioSP, o saldo positivo de abril só foi possível pelo bom desempenho dos supermercados paulistas, com saldo positivo de mais de 2 mil vagas no mês. Essa evolução é explicada, segundo a Entidade, pela sazonalidade positiva trazida pela Páscoa.

Daqui para frente, a Federação aponta que a tendência continuará sendo de saldos menores, positivos ou negativos. A FecomercioSP projeta uma movimentação mais estável de trabalhadores para o fim do primeiro semestre de 2017. Ainda assim, números melhores em virtude do Dia das Mães e do Dia nos Namorados com melhores receitas de vendas podem surgir. 

Varejo paulistano
O comércio varejista da capital paulista também se recuperou da queda sofrida em março e voltou a criar empregos em abril. Foram abertos 693 postos de trabalho formal no mês, resultado de 21.365 admissões contra 20.672 desligamentos. Com o resultado, o estoque total atingiu 643.335 trabalhadores, queda de 0,7% em relação a abril de 2016. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 4.508 empregos com carteira assinada no varejo paulistano.

Das nove atividades pesquisadas, apenas as de farmácias e perfumarias (4,1%) e os supermercados (1,5%) apresentaram crescimento no estoque de empregos, na comparação com abril de 2016. Já as maiores retrações foram registradas em concessionárias de veículos (-4,5%), lojas de móveis e decoração (-3,4%) e materiais de construção (-3,3%).