Economia

24/08/2018

Velha estrutura política ainda decide eleições, diz Cláudio Couto

Cientista político reconhece a importância da internet, mas afirma que exposição em rádio e TV tem peso significativo nas campanhas

Velha estrutura política ainda decide eleições, diz Cláudio Couto

Peso das campanhas em rádio e TV, embora menor, não desapareceu por completo, segundo Cláudio Couto
(Foto: Christian Parente)

A utilização da internet como espaço de debate e de promoção política tem crescido e deve continuar crescendo nas próximas eleições. Contudo, o modelo tradicional de se fazer política no Brasil, sobretudo campanhas veiculadas no rádio e na televisão, segue exercendo impacto significativo nas disputas eleitorais. É o que diz o doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP) e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Cláudio Couto.

Em entrevista ao UM BRASIL, realizada em parceria com o InfoMoney, Couto ressalta que o horário político – que neste ano vai ao ar de 31 de agosto a 4 de outubro –, a despeito de o período de veiculação ter sido encurtado em função de alterações na legislação eleitoral, segue sendo importante para definição de campanhas vitoriosas.

Veja também
“Se eleger um presidente que continue as reformas e os ajustes, o País deve acelerar o crescimento”, diz Juan Jensen
Partidos políticos estão em xeque, diz Sergio Fausto
“Temos de tirar os candidatos da zona de conforto que o marketing criou para eles”, diz Sérgio Abranches

“Embora a audiência dos programas de TV e de rádio seja menor hoje do que foi no passado, do ponto de vista de que o peso disso seja relativamente menor, esse peso não desapareceu por completo”, afirma o cientista político, em entrevista a Humberto Dantas e Marcos Mortari. “O tempo que conta não é só de afirmação do candidato, mas de desconstrução do adversário. Então, o candidato que sofrer muitos ataques pode ter um declínio”, completa.

Nesse sentido, Couto explica que a “velha estrutura da política”, baseada em formação de coligações para ter mais tempo para campanha midiática, ainda traz resultados expressivos, mesmo que a população brasileira tenha reivindicado mudanças no sistema eleitoral.

“É uma eleição diferente [a presidencial de 2018] das anteriores do ponto de vista que há mais pulverização e incerteza, mas as velhas estruturas ainda funcionam. Uma amostra disso: todos os candidatos outsiders sumiram. Dizíamos um tempo atrás que esta era uma eleição mais propícia para outsiders, mas um por um eles foram desaparecendo”, salienta.

De acordo com Couto, a internet se mostra um recurso indispensável para os candidatos que dispõem de pouco tempo de exposição nas cadeias de rádio e TV. “Quem tem menos tempo pode replicar materiais via internet. Sobretudo para quem tem tempo diminuto, uma saída é produzir conteúdo replicável – coisas que as pessoas, por exemplo, reenviam por WhatsApp ou publicam em suas páginas no Facebook. É uma forma de driblar um pouco essa restrição muito draconiana que a legislação eleitoral recente colocou para os partidos menores”, comenta.

Confira a entrevista na íntegra a seguir: