Negócios

14/11/2017

Ying Lowrey discute inclusão digital e empreendedorismo de base

Pesquisadora da Universidade Tsinghua fala ao UM BRASIL sobre a importância da inovação em países em desenvolvimento

Ying Lowrey discute inclusão digital e empreendedorismo de base

“Os países precisam impulsionar o empreendedorismo com as formas corretas de incentivos para a criação de negócios”, explica Ying Lowrey
(Arte/TUTU)

“Se não há inovação, o crescimento econômico não é sustentável”, diz a professora de economia e diretora-adjunta do Centro de Pesquisa para Empreendedores Chineses da Universidade Tsinghua, Ying Lowrey. A pesquisadora, que é especialista no modelo Alibaba de negócios, fala ao UM BRASIL sobre o empreendedorismo de base chinês, impulsionado pela inclusão digital.

Segundo a especialista, o empreendedorismo é importante para todos os países, mas especialmente para lugares como a China e o Brasil. “Os países precisam impulsionar o empreendedorismo com as formas corretas de incentivos para a criação de negócios”, explica.

Veja também:
Daniel Bell discute meritocracia e experimentalismo chineses
“O Brasil é o mercado financeiro mais seguro do mundo, mas isso tem um custo”, diz Rodrigo Zeidan
“Temos de nos comportar como uma das dez maiores potências do mundo, não podemos subordinar nossos interesses”, afirma Hussein Kalout

A entrevista faz parte de uma série realizada em Pequim durante o Brazil+China Challenge 2017, ocorrido nos dias 1º e 2 de setembro. São 12 produções que serão divulgadas todas as terças-feiras até o dia 19 de dezembro. A equipe do UM BRASIL conversou com nomes como o economista Rodrigo Zeidan, o diplomata Marcos Troyjo e a especialista em relações internacionais Adriana Abdenur.

O primeiro passo para o sucesso das novas empresas, diz Ying Lowrey, é que as pessoas façam as atividades que se sintam confortáveis no mercado de trabalho. “Isso se chama livre iniciativa e livre concorrência, é muito importante permitir que isso aconteça”, defende a professora. “Em um lugar como a China, por muito tempo, depois de 1949, as pessoas não tinham permissão de fazer negócios e por isso a economia chinesa quase quebrou”, lembra, sobre a própria experiência.  

“Atualmente, a economia parece estar crescendo e a razão disso é o fato de que as pessoas tem permissão para fazer negócios e muitos jovens estão muito animados com essa oportunidade. Essa empolgação é importante para países como China e Brasil”, defende.

Confira a entrevista completa: