Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Conselho de Economia Empresarial e Política

01/07/2020

Reduções da Selic nesse momento pouco impulsionam o consumo; ouça análise

Integrantes do Conselho de Economia Empresarial e Política também falam no podcast FecomercioSP sobre a falta de acesso do empresário as linhas de créditos, além de política e do comércio internacional

Ajustar texto: A+A-

Reduções da Selic nesse momento pouco impulsionam o consumo; ouça análise

Mercado avalia diariamente a possibilidade de uma segunda onda de contaminação e o pacote de estímulo dos bancos centrais dos países desenvolvidos
(Arte: TUTU)

As sucessivas reduções da taxa básica de juros são insuficientes para impulsionar o consumo num ambiente marcado pelo desemprego e incertezas econômicas e políticas agravadas pela pandemia de covid-19. Em contrapartida, a recente possibilidade da distribuição de uma vacina contra o novo covornavírus ainda neste ano tem mais poder para animar o mercado. Esses e outros assuntos foram abordados no podcast deste mês do Conselho de Economia Empresarial e Política (CEEP) da FecomercioSP.

“A queda da Selic é insuficiente para estimular o consumo porque há outras variáveis com maior peso, mas ela reduz o custo do crédito e isso pode facilitar a vida das empresas. No segundo trimestre, vivemos certamente um dos piores períodos econômicos do Brasil em termos de atividade (com queda do PIB, do comércio em larga escala, da indústria e de serviços), e a sinalização da vacina mostra que o novo normal seja mais parecido com o anterior. Porém, temos que ter cautela com as expectativas porque o ritmo da recuperação tem sido bastante lento”, analisa Antonio Lanzana, copresidente do Conselho.

Acesse mais conteúdos multimídia sobre a situação econômica do País
Brasil vive pequenos “enfartes” na contramão dos países que voltaram a crescer economicamente
Assista: recuperação econômica brasileira após pandemia é uma incógnita
Ouça: aumento do gasto público deve se restringir ao enfrentamento da pandemia

Paulo Delgado, também copresidente do Conselho, fala sobre a dificuldade do acesso a crédito enfrentado pelos empresáros nesse momento e qual o horizonte para o Brasil. “O governo não dá sinais muito claros de que vai fazer chegar ao empresariado e ao pequeno negócio os créditos que as medidas provisórias anunciaram – tanto as votadas e sancionadas como as que estão em discussão no Congresso. É preciso ajudar as pessoas a saírem dessa enrascada que o coronavírus colocou o País. As medidas de médio e longo prazos (fiscal, tributária e administrativa) que são as grandes reformas não deixaram de ser importantes.”

O economista e integrante do CEEP, André Sacconato, fala sobre o temor do mercado de uma segunda onda de contaminação e da importância do pacote de estímulo dos bancos centrais dos países desenvolvidos, pontos que segundo ele são analisados diariamente pelo mercado. “Nas últimas semanas os dados foram positivos, principalmente nos Estados Unidos, e começou-se a vislumbrar uma recuperação em ‘V’, mas os novos dados sobre o coronavírus mostram que não vai ser tão fácil assim e o mercado está em um ‘platô’ esperando notícias boas”, alerta.

Ouça o podcast:

O conteúdo também está disponível no Spotify e no Apple Podcasts.