Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Conselho de Sustentabilidade

18/08/2020

Volta da distribuição gratuita de sacolas bioplásticas aumentaria os custos dos pequenos empresários paulistanos

Meio ambiente e consumidor também serão prejudicados caso o Projeto de Lei Municipal 274/2018 seja aprovado

Ajustar texto: A+A-

Volta da distribuição gratuita de sacolas bioplásticas aumentaria os custos dos pequenos empresários paulistanos

Medida pode impactar o consumidor com o aumento do preço das mercadorias
(Arte: TUTU)

A volta da distribuição gratuita de sacolas bioplásticas seria um desperdício de recursos naturais, além de grande retrocesso para a sociedade paulistana, já acostumada a usar sacolas retornáveis nas compras. Além disso, tal medida aumentaria os custos dos empresários – principalmente de pequenos negócios –, em meio a uma crise econômica e a uma pandemia que ainda causam incertezas sobre o futuro.

Por isso, a FecomercioSP desaprova o Projeto de Lei 274/2018, em tramitação na Câmara Municipal de São Paulo, de autoria dos vereadores Zé Turin (PHS), André Santos (Republicanos) e João Jorge (PSDB), que proíbe a cobrança das sacolas bioplásticas.

Saiba mais sobre temas de sustentabilidade:
Sustentabilidade e governança como estratégia de negócios é tendência irreversível
Varejo e atacado farmacêutico precisam seguir exigências da logística reversa de medicamentos
Logística reversa: entenda os procedimentos de coleta de resíduos de grandes geradores

Para o Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP, mesmo essas sacolas sendo constituídas por 51% de plástico oriundo de matéria-prima renovável, reutilizável e reciclável, grande parte da população ainda não as destina para a reciclagem, prejudicando o meio ambiente.

Além de contrariar os princípios constitucionais de livre-iniciativa e livre-concorrência, a medida também poderá impactar o consumidor com o aumento do preço das mercadorias, uma vez que o comerciante terá acréscimos nos custos.

Saiba de mais ações do Conselho de Sustentabilidade aqui.