Negócios

07/02/2017

Big data é recurso para empresas alinharem tecnologia aos negócios

Ferramenta é considerada essencial para que as companhias aperfeiçoem controles operacionais e alcancem maior crescimento

Big data é recurso para empresas alinharem tecnologia aos negócios

Trata-se de um recurso utilizado não apenas para armazenar e processar dados, mas também para cruzá-los entre si (PixAbay)

Com informações de Guilherme Meirelles

De acordo com estudo da multinacional Cisco, o volume de dados na internet global está perto de alcançar a marca de 1 zettabyte -  o que significa 1 trilhão de gigabytes (1 GB é igual a 1.000 MB) -, número que pode dobrar em 2019. Se não for devidamente armazenado e analisado, esse grande volume de informações terá pouca utilidade prática no mundo corporativo. Com a entrada desse “Everest de bytes” no cotidiano das empresas, que se veem desafiadas para manter seus negócios, a saída é incorporar a inteligência tecnológica Big Data.

Trata-se de um recurso utilizado não apenas para armazenar e processar dados, mas também para cruzá-los entre si, permitindo às empresas organizar informações para a estruturação de ações estratégicas. A correta aplicação dos dados depende do ramo das empresas, de seu porte e de suas prioridades no mercado. Para isso, é recomendável que os softwares possibilitem a utilização de algoritmos de análise multivariada, que priorizarão as variáveis mais importantes do negócio e reduzirão a complexidade das estratégias a serem adotadas.

Identificação de oportunidades

Maior portal imobiliário do Brasil, o Zap manipula diariamente cerca de sete terabytes (1 TB é igual a 1.000 GB) relacionados a mais de um milhão de imóveis cadastrados em todo o País. No ano passado, o grupo anunciou a criação do DataZap, que nasceu com a missão de identificar e projetar as tendências do mercado imobiliário, inclusive em regiões mais afastadas dos grandes centros metropolitanos. “Big Data está no coração do DataZap”, afirma o economista Danilo Igliori, chairman do DataZAP.

Os dados ficam armazenados na nuvem da Microsoft e há uma equipe própria formada por dez profissionais. Sem revelar valores, Igliori afirma que os projetos incluem o uso de todos os recursos de Big Data. “Temos pessoas e ferramentas capazes de transformar fotografias em dados para nossos modelos de precificação. Queremos desenvolver modelos para explicar o crescimento das cidades de acordo com as tendências do mercado imobiliário, para onde elas se deslocam e quais são as ondas de migração e ocupação.” Este ano, o DataZap pretende tornar suas ferramentas digitais acessíveis aos clientes, principalmente no pequeno varejo.

Ferramenta acessível

Atualmente, as ferramentas necessárias para aplicações de Big Data podem ser encontradas até mesmo gratuitamente na internet, como é o caso do software básico da MicroStrategy, uma das maiores desenvolvedoras globais de softwares. No Brasil, a companhia atende a cerca de 200 clientes, que incluem desde órgãos públicos como a Receita Federal e o Banco Central, até grandes grupos varejistas, casos de Carrefour e Grupo Pão de Açúcar, além de bancos e empresas de telefonia. O carro-chefe é o software MicroStrategy versão 10, que tem entre seus clientes, nos Estados Unidos, a rede social Facebook.

Por meio da plataforma de Business Intelligence da MicroStraegy, a cooperativa médica Unimed Rio obteve avanços na otimização dos recursos de sua gestão e na agilidade na tomada de decisões. A cooperativa possui mais de um milhão de clientes e é líder de mercado no Estado do Rio de Janeiro.

Segundo o coordenador da área de inteligência, Emilio Farah, um dos principais desafios antes da adoção do novo sistema era com relação à automatização dos processos de manipulação de dados, à padronização de conceitos e à comunicação entre as diversas áreas da empresa. “Foi criado um Sistema de Informações Estratégicas (SIE), que promoveu a integração entre as diversas fontes de dados e sistemas da empresa em uma única central de dados.”

Com a expansão dos meios mobile, os recursos de Big Data podem se tornar cada vez mais acessíveis aos colaboradores de uma empresa. Com base na tecnologia da MicroStrategy, a rede de postos Ipiranga lançou um aplicativo voltado aos seus 300 profissionais que atuam na área comercial. O aplicativo permite aos funcionários acompanhar os índices de venda de toda a rede da companhia – são 7.230 postos, 1,91mil lojas de conveniência e 1.466 pontos de troca de óleo. Os recursos foram inicialmente disponibilizados em tablets, e em uma segunda etapa estão sendo acessados por smartphones.  Segundo a gerente de sistemas de informação da Ipiranga, Betsy Ferreira, o aplicativo integrou dados e indicadores das vendas e, com isso, estreitou a comunicação com a área de marketing. Entre os dados disponíveis em tempo real, estão o volume de venda por posto e por tipo de combustível, os dados sobre os produtos com maior saída nas lojas de conveniência, os tipos de óleo mais usados nas trocas, detalhes do comportamento dos consumidores e os horários de maior ou menor movimento.

Confira a reportagem na íntegra, publicada na revista C&S.