Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Reforma Trabalhista

26/04/2018

Com fim da MP 808, gestantes e lactantes poderão trabalhar em locais insalubres

Tema é um dos pontos mais polêmicos da Reforma Trabalhista e foi alvo de críticas

Ajustar texto: A+A-

Com fim da MP 808, gestantes e lactantes poderão trabalhar em locais insalubres

As mudanças aprovadas originalmente pelo Congresso voltam a valer após a medida provisória perder a validade
(Arte: TUTU)

A Medida Provisória n.º 808, que altera a Lei n.º 13.467, conhecida como “Reforma Trabalhista”, perdeu a validade no último dia 23 de abril. Com essa mudança, as funcionárias gestantes e lactantes podem trabalhar em ambientes e atividades insalubres com autorização de laudo médico.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) acredita que a informação sobre cada uma das mudanças é essencial para que empregadores e funcionários formem opiniões, estejam atualizados e façam uso das novas regras. Por isso, o portal da Entidade publica uma série especial sobre os efeitos da caducidade da medida provisória.

Veja também:
Reforma Trabalhista: MP 808 perde a validade e FecomercioSP esclarece quais os efeitos nos contratos vigentes
MP 808 perde validade e regras da contratação de autônomos mudam
Com fim da MP 808, regras para gorjetas voltam a ser simples
Queda da MP 808 reverte base de cálculo para dano extrapatrimonial
Fim da MP 808 altera regras para enquadramento do grau de insalubridade
Perda da validade da MP 808 reverte regras do trabalho intermitente
Ajustes para jornada 12 × 36 são revertidos com o fim da MP 808
Comissão de representantes para funcionários é necessário mesmo após fim da MP 808

A MP 808/2017 foi publicada no dia 14 de novembro, três dias depois que a Reforma Trabalhista entrou em vigor, e alterou alguns de seus dispositivos. Para virar lei, o texto precisaria ter sido aprovado no Congresso até o dia 23 de abril, mas a comissão mista competente para tratar do assunto nem sequer nomeou um relator. De forma geral, as medidas provisórias devem ser aprovadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado para que se convertam em lei.

Gestantes e lactantes
A edição da Lei n.º 13.467 sobre o tema gerou polêmica, e para amenizar as críticas, a MP foi formulada. O artigo inserido na medida garantia que a gestante seria afastada de ambientes e operações insalubres de grau máximo durante a gestação. As atividades e os ambientes insalubres em graus médio e mínimo poderiam ser realizadas pela gestante desde que ela apresentasse atestado de saúde que a autorizasse a exercê-las. Em relação à funcionária lactante, haveria o afastamento quando esta apresentasse atestado de saúde emitido por médico de sua confiança recomendando o seu afastamento.

O fim da MP 808 restabelece as regras originais da Reforma Trabalhista. Para a FecomercioSP, as regras da MP eram mais adequadas para garantir o bem-estar das funcionárias gestantes e lactantes e, ao mesmo tempo, estabelecer coerência em relação à suspensão do benefício durante o período de afastamento. A Federação acredita que esse ponto deve gerar muitas controvérsias e elevada insegurança jurídica para empresas e funcionárias.