Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Legislação

02/03/2021

Em webinário, FecomercioSP discute nova lei sobre ICMS e mostra como aumento do imposto prejudica empreendedores e consumidores

Federação apoia PL 82/2021, que busca revogar artigo que permite elevação do ICMS

Ajustar texto: A+A-

Em webinário, FecomercioSP discute nova lei sobre ICMS e mostra como aumento do imposto prejudica empreendedores e consumidores

População e empresários podem ajudar a colocar o projeto na pauta para apreciação
(Arte: TUTU)

Por ser prejudicial aos empresários e aos consumidores, ainda mais em um período de crise causada pela pandemia de covid-19, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) mantém o apoio ao Projeto de Lei 82/2021, que busca revogar o artigo 22 da Lei 17.293/2020, dispositivo que permite o aumento de impostos sem a aprovação do Poder Legislativo. Foi justamente essa lei, aprovada em outubro de 2020, que permitiu a criação de decretos responsáveis pela elevação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em diferentes produtos a partir deste ano.

A iniciativa depende de um número mínimo da assinatura de 48 deputados para ser colocada em pauta e aprovada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) e impedir que novos produtos sofram aumentos. “O aumento do ICMS vem em uma hora inoportuna, especialmente para o comércio, que passou por um ano difícil, marcado por restrições de funcionamento. Apesar da elevação do imposto, estamos trabalhando o assunto desde a apresentação do PL 529, apresentado em agosto e aprovado rapidamente dois meses depois. Tentamos falar com a Secretaria da Fazenda e sensibilizar o governador, ouvimos reclamações dos empresários e iniciamos 2021 com novas ações, porque essa legislação impacta o comércio, principalmente nesse momento”, explica Sarina Sasaki Manata, assessora jurídica da FecomercioSP.

Leia mais sobre o assunto
“Precisamos unir forças para revogar o aumento do ICMS em São Paulo”, afirma deputado Ricardo Mellão
Empresários pedem revogação do aumento do ICMS
FecomercioSP apoia revogação de artigo que permite aumento do ICMS

No webinário PL 82/2021: Revertendo o Aumento do ICMS, realizado em 25/02 pela FecomercioSP, Ricardo Mellão, deputado estadual (NOVO-SP), critica a autorização para aumentar qualquer alíquota por decreto porque ela fere o princípio da legalidade tributária, conforme o previsto no artigo 150 da Constituição Federal, inciso I, que diz que todo aumento deve ser discutido no Legislativo e detalha que esse aumento se reflete para o consumidor final.

“O consumidor vai comprar um produto no supermercado mais caro e arcar com o reajuste do plano de saúde em uma época em que as pessoas estão sem recurso porque perderam o emprego e muitos empresário fecharam os negócios. Caso nossa proposta seja aprovada, há o entendimento que, ao cair o artigo de lei que permite o aumento por decreto, os decretos vigentes perderiam a sua sustentação e cairiam também, mas o que já foi cobrado e pago, infelizmente, seria difícil de ser revertido”, diz Mellão.

Caio França, deputado estadual (PSB-SP), ainda ressalta que alguns dos aumentos que integram o pacote de ajuste fiscal para equilibrar as contas públicas já constam no orçamento e isso traria mais complexidade para determinadas revogações. Apesar disso, França afirma que “ao revogar essa autorização, qualquer tipo de aumento de impostos voltará a passar na Alesp”.

Apesar do difícil caminho a ser trilhado, os deputados ressaltaram que há chances reais de o projeto ser colocado na pauta para apreciação e, para isso, além dos esforços dos deputados autores do PL 82/2021, quase 30, a população e empresários também podem ajudar, solicitando apoio ao seu deputado estadual, cujo e-mail pode ser obtido em (https://www.al.sp.gov.br/deputado/lista/).

Competitividade

Sarina ainda lembra que a perda de benefícios com o aumento do ICMS compromete a competitividade do Estado de São Paula com relação a outros estados, que permanecem com as isenções. “Benefícios relativos ao ICMS passam pelo Confaz [Conselho Nacional da Política Fazendária], e a alteração em São Paulo é prejudicial porque os outros Estados tem os mesmos benefícios fiscais”, conclui a advogada.

Assista ao webinário completo aqui.