Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

29/05/2020

Grupo Hope vê expansão do e-commerce após passar por desespero com o fechamento de lojas

A diretora de marketing e estilo da empresa, Sandra Chayo, acredita que as vendas do ambiente digital vão se somar às das lojas físicas, e não substituí-las

Ajustar texto: A+A-

Grupo Hope vê expansão do e-commerce após passar por desespero com o fechamento de lojas

Entrevistada aborda no podcast FecomercioSP as decisões tomadas durante a pandemia 
(Arte: TUTU)

A frustração de fechar loja por loja em diferentes Estados mexeu não só com as vendas, mas também com o ânimo de todo o Grupo Hope. No 11º episódio da série “Mercado & Perspectivas”, uma iniciativa da FecomercioSP, a diretora de marketing e estilo da empresa, Sandra Chayo, conta o que foi feito para manter os negócios após esse primeiro impacto.

“Foi difícil de assistir a rede de franquias de portas fechadas, sendo que, em algumas localizadas em shoppings, nem era permitida a entrada do franqueado para mexer no estoque. Logo no início da pandemia, publicamos os contatos de WhatsApp de todas as lojas com acesso ao estoque no site da empresa. Assim, mantivemos as vendas por delivery e pelo Hope em Casa – quando é enviada uma seleção de produto e a cliente escolhe o que interessa. O que também salvou a rede foi o e-commerce, que trabalhamos desde 2006. Em maio, lançamos o aplicativo Hope, que integra as lojas e atende às consumidoras localmente”, lembra.

Saiba de outros relatos de empresas:
Pequenas empresas com menos de dois anos de mercado contam sobre experiência na pandemia
Ouça: pandemia pode fazer ClickBus redesenhar projeções de crescimento
"Queremos tirar a dependência da loja física", diz dono da Polishop

Mesmo com a paralisação da expansão da fábrica em Maranguape, no Ceará, a abertura adiada de novas lojas previstas para março e abril e o fechamento de algumas unidades, a executiva se mostra otimista em razão dos resultados obtidos no comércio eletrônico e nas lojas físicas que começaram a ser abertas gradualmente neste mês. “Crescemos 450% no ambiente digital. Acredito que essas vendas venham a se somar às das lojas físicas, e não substituí-las. Além disso, cerca de 40 das 180 lojas estão abertas”, afirma Sandra, que destaca ainda que a época de maior demanda para a Hope é no segundo semestre.

Ouça o podcast:

O conteúdo também está disponível no Spotify e no Apple Podcast.