Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

27/07/2018

Intenção de consumo das famílias paulistanas registra quarta queda consecutiva em julho

Comportamento deve impactar negativamente o varejo de modo geral nos próximos meses

Ajustar texto: A+A-

Intenção de consumo das famílias paulistanas registra quarta queda consecutiva em julho

Famílias não sentem, de fato, uma inflação mais baixa, e há uma crescente preocupação em relação à renda e perda do emprego
(Arte: TUTU)

A intenção de consumo das famílias paulistanas registrou, em julho, queda pelo quarto mês consecutivo. No mês, o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) atingiu 86,2 pontos, retração de 3,9% na comparação com junho. Esse comportamento deve impactar negativamente o varejo de modo geral nos próximos meses.

O indicador é apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e varia de zero a 200 pontos, sendo que abaixo de 100 pontos significa insatisfação, e acima de 100, satisfação em relação às condições de consumo.

Veja também:
Baixo consumo faz crescer parcela de empresários com estoques altos em julho
Proporção de famílias paulistanas endividadas cai pelo 3º mês seguido em junho, mas inadimplência segue estável
Consumidores estão mais cautelosos para financiamentos e endividamento diante de incertezas econômicas e políticas

A sequência negativa do índice que se iniciou em abril evidencia ainda a deterioração das condições econômicas das famílias. Segundo a Entidade, as famílias não sentem, de fato, uma inflação mais baixa, e há uma crescente preocupação em relação à renda e perda do emprego, fatores fundamentais para alimentar o consumo.

Essa insatisfação também é resultado da incerteza político-econômica, algo comum em ano eleitoral, e dos reflexos da greve dos caminhoneiros, que provocou uma crise de desabastecimento e reduziu o fluxo de consumidores nos locais de compra.

Como maneira de retomar as vendas, a FecomercioSP orienta que os empresários mantenham atenção ao nível do estoque. Preservar esse nível adequado e realizar promoções para atrair os compradores de volta são alternativas para manter os negócios em um período de economia fraca.

Dados e tendência
Em julho, todos os sete itens que compõem o ICF ficaram abaixo da pontuação de junho, fato que não ocorria desde maio de 2016, quando o país atravessava o auge da crise política com o processo de impeachment.

Houve redução no apetite por compras de bens que são, em grande parte, financiados/parcelados, e 69% dos paulistanos disseram ser um mau momento para compra de produtos como geladeira, fogão, TV etc. No curto prazo, a tendência é a mesma, pois a maioria dos entrevistados (54,1%) afirmam estar consumindo menos do que há um ano.

A retração na intenção de consumo ocorreu em ambas as faixas de renda analisadas pelo ICF: tanto no grupo com renda superior a dez salários mínimos quanto no grupo inferior a dez salários.

Apesar das sucessivas quedas, o ICF está 10,3% acima do patamar registrado em julho de 2017, o que permite um aumento – mesmo que fraco – das vendas no varejo.