Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Editorial

02/09/2020

O papel das universidades corporativas na economia digital, por Vitor Magnani

Ressurgimento dessas escolas tem o potencial de frear a demissão de milhares de pessoas e, ao mesmo tempo, oferecer às empresas uma porta de entrada rápida às novas qualificações

Ajustar texto: A+A-

O papel das universidades corporativas na economia digital, por Vitor Magnani

Cursos de capacitação do Google podem ser o primeiro grande movimento rumo à recriação das universidades corporativas
(Arte: TUTU)

*Por Vitor Magnani

O Google acaba de lançar cursos de capacitação, com duração de seis meses, em diversas áreas tecnológicas. Não há pré-requisito de entrada, nem mesmo formação em uma universidade, e os certificados serão emitidos pela própria empresa. O objetivo da gigante de tecnologia é contratar os futuros formados em pouco tempo.

Talvez este seja o primeiro grande movimento da nova economia rumo à recriação das universidades corporativas. Lançadas no decorrer da Segunda Revolução Industrial, quando a fábrica se intensificou a partir do uso do aço, eletricidade e petróleo, esses polos educacionais visaram suprir a falta de formações mais rápidas e técnicas para operação das novas máquinas e tecnologias da época.

Leia mais artigos:
Futuro do trabalho: mais ou menos oportunidades?
O que o governo e as startups têm em comum
Renda, liberdade de escolha e concorrência

De lá para cá, as universidades corporativas tiveram o papel de educar e capacitar os funcionários sobre os mais diversos temas, que vão de técnicas de vendas ao uso de determinados sistemas. No Brasil, este investimento privado é historicamente baixo. De acordo com a Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), as empresas nacionais investem cerca de 22 horas em treinamentos dos colaboradores por ano, número 38% inferior aos países mais ricos.

Todos sabemos, mesmo que intuitivamente, que o mundo está em transformação cada vez mais acelerada. Em um curto espaço de tempo, saltamos da locadora de vídeos para o filme sob demanda, da máquina fotográfica para o registro no celular, do trabalho presencial para o home office. E as novidades não param de aparecer. Se as empresas não se atentarem para a necessidade de atualização constante, há grandes riscos de serem deixadas para trás por companhias mais antenadas às inovações.

O leitor pode fazer o seguinte exercício. Entre no LinkedIn e procure vagas para desenvolvedores. As qualificações exigidas são inúmeras. Não basta ter conhecimento sobre uma ou duas linguagens de programação. Os domínios exigidos vão de SQL, Java e Phyton à HTML e MySQL. É uma verdadeira cartela de bingo que o candidato deve preencher para ser competitivo.

Agora, imagine uma graduação em Sistemas de Informação ou Ciência da Computação. Se no segundo ano o aluno aprende determinada programação, ao final do curso de quatro anos há grandes chances desse conhecimento já ter sido ultrapassado para algo mais novo.

O quadro ainda é mais grave quando olhamos para o déficit de profissionais qualificados para essas funções no Brasil. Segundo relatório da OCDE, o Brasil tem apenas 17% dos graduados formados nos cursos de ciências, tecnologia, engenharia e matemática, enquanto a média dos países mais ricos é de 24%. Em outro estudo, a Brasscom divulgou que o mercado de tecnologia nacional precisará de aproximadamente 70 mil profissionais ao ano até 2024.

A universidade corporativa deve ser repensada a partir desses novos ditames. Se há décadas ela foi importante instrumento para capacitação dos colaboradores que, muitas vezes, realizavam trabalhos repetitivos, atualmente essa educação deve ser instantânea, constante e com alto grau de inteligência.

O ressurgimento dessas escolas tem o potencial de frear a demissão de milhares de pessoas e, ao mesmo tempo, oferecer às empresas uma porta de entrada rápida às novas qualificações de um mundo mais volátil, incerto, complexo e ambíguo.

Saiba mais sobre o Conselho de Comércio Eletrônico

*Vitor Magnani é coordenador-executivo do Conselho de Comércio Eletrônico da FecomercioSP.
Artigo originalmente publicado no Forbes Brasil Online em 2 de setembro de 2020.