Editorial

16/07/2019

Para atores de “Terrenal”, conexão entre mito bíblico e relações humanas atuais traz reação surpreendente do público

No espetáculo, a história clássica da briga entre Caim e Abel traz ao palco o momento em que um conflito parte de uma discussão para uma atitude extrema

Para atores de “Terrenal”, conexão entre mito bíblico e relações humanas atuais traz reação surpreendente do público

"Terrenal" fica em cartaz até 25 de julho, todas às quintas-feiras, às 21h, no teatro da FecomercioSP
(Arte/Tutu)

Em cartaz no Teatro Raul Cortez, a comédia dramática Terrenal – pequeno mistério ácrata traz uma releitura da história bíblica dos irmãos Caim (Dagoberto Feliz) e Abel (Sergio Siviero) e tem como pano de fundo os grandes conflitos sociais e os dilemas sobre posse de terra, valor do trabalho, relações interpessoais e consequências das escolhas humanas. Os diálogos são construídos de forma a expor essa dualidade entre os irmãos, bem como os conflitos internos de cada um.

O ator Dagoberto Feliz explica os elementos que estão levando a uma resposta tão positiva da plateia. “O autor, Mauricio Kartun, faz uma provocação bem clara colocando Caim no lugar da prática produtiva e Abel em uma vida mais poética, diferente. Eu penso em como essas duas figuras se encontram. A partir disso, a trama tem uma força mítica muito boa, mas talvez a relação que o público faz com o mundo atualmente é o que provoca a reação tão intempestiva da plateia, e isso tem sido muito bom”, comenta.

O antagonismo e a rivalidade entre os irmãos se intensificam quando Tatita (Celso Frateschi) – a representação de Deus como pai dos dois – retorna após vários anos ausente.

Veja também:
Com casa cheia e forte aclamação do público, “Terrenal” estreia no Teatro Raul Cortez
Amor Profano está de volta ao Teatro Raul Cortez

Para Feliz, essa presença traz um dos pontos mais sensibilizantes do texto: uma frase do Tatita que diz que o problema não é brigar, mas querer matar o outro. “A discussão é interessante, é boa; o ruim é criar uma imposição de ideias. O importante, e esse espetáculo demostra bem isso, é parar e conversar, entender em que ponto nós, opostos, nos encontramos e em quais não temos negociação. Essa é a brincadeira de Terrenal”, diz.

Já o ator Celso Frateschi diz que a forma como o Kartun apresenta o texto e o modo como Marco Antônio Rodrigues dirige o espetáculo acabam mesclando muito as relações interpessoais contemporâneas com uma narrativa que não é apenas divertida o tempo todo, mas que também não é somente séria – ou seja, um forte atrativo para o público.

“Esse texto diz muito para a atualidade, quando as relações são desmanchadas, quando a ambição fica em primeiro plano. Essa relação entre os irmãos, a questão da fraternidade, isso tudo me emociona muito”, comenta.

Ele explica que o sucesso da peça está em encontrar um sentido moderno para o mito bíblico clássico. “O mito só tem sentido se tiver alguma correspondência com o moderno, com o real, somente assim ele é relembrado. Representar esse mito, hoje, revela como ele está presente, mostra como essa relação entre irmãos, dos filhos com o pai, e também a relação de propriedade e dos problemas mais sociais são importantes”, avalia.

Ele conclui dizendo que a parte da apresentação que mais o sensibiliza é quando a figura de Deus, de Tatita, vira um pouco ator (e não só personagem), e proclama a condenação de Caim pela historicamente conhecida escolha que ele fez.

O espetáculo fica em cartaz até 25 de julho, todas às quintas-feiras, às 21h, no teatro da na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

A direção do espetáculo é de Marco Antônio Rodrigues, e Cecília Boal é responsável pela tradução do texto do dramaturgo argentino Mauricio Kartun, enquanto que a trilha sonora é executada por Demian Pinto. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou pelo site Ingresso Rápido.

Serviço
Terrenal – pequeno mistério ácrata
Temporada: de 6 de junho a 25 de julho.
Quintas-feiras, às 21h.
Teatro Raul Cortez – Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – Bela Vista, São Paulo (SP).