Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Negócios

07/05/2021

Projeto de recuperação do setor de eventos é sancionado com vetos a medidas essenciais às empresas

Impacto pode ser negativo para pequenos negócios obterem crédito

Ajustar texto: A+A-

Projeto de recuperação do setor de eventos é sancionado com vetos a medidas essenciais às empresas

Turismo precisa de uma assistência maior para conseguir se reconstruir do pior momento que o setor já enfrentou
(Arte: TUTU)

O governo federal sancionou um Projeto de Lei (PL) que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos e Turismo (Perse) e o Programa de Garantia aos Setores Críticos (PGSC), estabelecendo vetos a pontos fundamentais para a recuperação consistente do setor, conforme a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) vem alertando nos últimos meses. 

Embora a Federação tenha trabalhado para a sanção do projeto, a desidratação ocorrida ao longo da tramitação no Congresso e os vetos presidenciais dificultarão ainda mais a retomada das atividades econômicas mais impactadas pela pandemia.

Um ponto extremamente importante para as empresas seria o enquadramento delas no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), programa de crédito com condições bem mais favoráveis do ofertado pelo sistema financeiro. No veto, a justificativa foi de que as empresas beneficiadas pelo Perse serão contempladas em outro programa específico, de acordo com a Lei 13.999, de 2020. Essa lei também trata do Fundo Garantidor de Operações (FGO), sobre taxas de juros e prazos de pagamento. 

Outro ponto vetado foi sobre a indenização nas despesas com pagamento de empregados para empresas que tiveram perda de mais de 50% no faturamento entre 2019 e 2020, com o limite máximo de R$ 2,5 bilhões. Para a FecomercioSP, Seria muito oportuna esta ajuda para a manutenção dos empregos, além do aproveitamento da nova edição do programa BEm, de negociação de reduções de jornada e salário.

Leia mais sobre turismo
FecomercioSP comemora aprovação do plano de recuperação para os setores de eventos e de turismo, mesmo com alterações no texto
Pronampe permanente vai auxiliar na recuperação de pequenas empresas
Apesar de ações positivas, turismo ainda precisa de medidas para criar ambiente seguro aos negócios 

Um terceiro ponto vetado foi a redução a 0% pelo prazo de 60 meses de impostos e contribuições como PIS/Pasep, Cofins, CSLL e IRPJ. Esta possibilidade seria essencial para dar liquidez às empresas, com foco no pagamento de funcionários, fornecedores e contas obrigatórias. Contudo, o projeto do Congresso não contou com o cálculo do impacto da redução da alíquota – e, mesmo se houvesse a sanção presidencial, haveria o risco de infringir a lei.

Veja o que foi aprovado

As empresas do setor de eventos poderão renegociar dívidas tributárias, incluindo o FGTS, a partir de modalidades disponibilizadas pelo Poder Executivo, aplicando um desconto de até 70% sobre o valor total da dívida e com prazo máximo para o seu pagamento de até 145 meses.

Foi sancionado também o Programa de Garantia aos Setores Críticos (PGSC), operacionalizado pelo BNDES por meio do Fundo Garantidor para Investimentos (FGI) com as seguintes condições: crédito contratado até 180 dias após a lei sancionada vigorar; prazo de carência no intervalo de 6 a 12 meses; prazo total da operação entre 12 e 60 meses; e taxa de juros conforme o regulamento do fundo.

A cobertura da inadimplência do FGI será limitada a 30% do valor liberado às empresas.

Apesar de todos os vetos e da desidratação do projeto ao longo dos últimos meses, é importante ressaltar que houve atenção especial aos setores que mais sofreram durante a pandemia. Algumas das propostas já foram realizadas em outros encaminhamentos, como a Medida Provisória (MP) 1.036/21, que estipula condições para cancelamentos, remarcações e reembolsos dos serviços das empresas de turismo. Inclui-se a MP 1.045/21, que traz de volta o programa de benefício ao emprego.

O que as empresas do turismo precisam é que o crédito chegue e não esbarre na burocracia. É necessário também que haja uma reconsideração para maior parcelamento ou adiamento na quitação de impostos, até nos níveis federal e municipal, sinaliza o Conselho de Turismo (CT) da FecomercioSP.

As empresas do setor já tiveram um prejuízo acumulado na pandemia de R$ 65 bilhões, segundo pesquisa da Entidade. Será difícil uma recuperação rápida, mesmo com uma possível aceleração da vacina. O turismo precisa de uma assistência maior para conseguir, não somente retomar, mas se reconstruir do pior momento que o setor já enfrentou na história recente, pondera o CT.

Quer saber mais sobre esse e outros temas fundamentais para o setor? Clique aqui e conheça mais sobre o Conselho de Turismo da FecomercioSP.