Sustentabilidade

11/06/2018

Proteção ao meio ambiente passa pela redução do uso de plásticos descartáveis

Mais de 40% dos materiais são usados uma única vez e descartados, levando centenas ou milhares de anos para se decomporem

Proteção ao meio ambiente passa pela redução do uso de plásticos descartáveis

Consumidor pode fazer a sua parte ao evitar usar itens como canudos, sacolinhas e copos descartáveis
(Arte/Tutu)

Produzido com base em derivados do petróleo, o polímero sintético, mais conhecido como “plástico”, é utilizado em diversas atividades cotidianas. Desde a década de 1950, quando começou a produção em larga escala, mais de 8 bilhões de toneladas foram fabricadas, sendo apenas 9% recicladas e 12% incineradas. Além disso, a maior parte dos plásticos não é biodegradável e, por isso, esses resíduos podem perdurar por centenas ou mesmo milhares de anos até se decomporem.

Para se ter uma ideia da utilização do plástico no dia a dia, a produção global passou de 2 milhões de toneladas em 1950 para 400 milhões em 2015, um crescimento superior ao da maioria dos materiais, ficando atrás somente de matérias-primas de construção, como o aço e o cimento.

Veja também
Empresários e cidadãos podem colaborar para reduzir enchentes nas cidades
Mesmo superior à média nacional, tratamento de esgoto no Estado de São Paulo é insuficiente
Comércio que fecha cedo pode ter economia de energia com tarifa branca

O plástico é um dos melhores recursos para a indústria, uma vez que reúne como nenhum outro material as características de transparência, elasticidade, resistência e baixo custo. Além de seu uso ter se difundido no cotidiano das pessoas, o plástico se tornou indispensável para diversas atividades. De qualquer forma, é importante analisar o seu uso para identificar as áreas em que pode ser substituído.

Um dos problemas do plástico é que mais de 40% dos materiais são usados uma única vez e descartados. O restante costuma ser descartado depois de, no máximo, quatro anos de uso.

Se a projeção atual se confirmar, a quantidade de plástico atingirá a marca de 34 bilhões de toneladas em 2050, sendo que aproximadamente 12 milhões de toneladas serão amontoadas em aterros ou descartadas incorretamente no meio ambiente. Também para 2050, a previsão é de que a massa de plástico nos oceanos supere a de peixes. Isso porque os oceanos recebem aproximadamente 13 milhões de toneladas de plástico por ano, o que impacta também a fauna, uma vez que mais de 180 espécies de aves, mamíferos marinhos e outros animais ingerem os detritos despejados no mar.

Em resumo, materiais descartáveis se acumulam e geram problemas ao meio ambiente, e as pessoas mal se dão conta de como os utilizam. Como exemplo, 500 milhões de canudos são usados diariamente apenas nos Estados Unidos. Outro dado significativo aponta que mais de 500 bilhões de sacolas plásticas são usadas por ano em todo o mundo.

Uma saída para combater esse problema é intensificar a economia circular, que consiste na fabricação de produtos plásticos mais fáceis de reciclar, sistemas eficientes de logística reversa e mercados viáveis para os plásticos reciclados. Opções mais sustentáveis estão sendo criadas. Conheça algumas:

Descartável comestível

• Na Índia, há colheres com vida útil de três anos produzidas com diferentes tipos de farinha (milho, arroz e trigo), com sabores doces e salgados que podem ser comidas ou decompostas quando descartadas. O preço é competitivo – 100 colheres comestíveis são vendidas aos varejistas por pouco mais de US$ 3.

• Na Itália, há potes comestíveis feitos de pão. Os recipientes fazem com que o consumidor evite utilizar pratos e talheres, uma vez que a tampa pode ser dividida e usada como colher.

• No Brasil, a EkoEmbalagens faz colheres de degustação, sem sabor.

Reutilizável compartilhado

• Nos Estados Unidos, cafeterias oferecem copos ou canecas reutilizáveis. O cliente pode sair do estabelecimento tomando a sua bebida e devolver a caneca em outro estabelecimento participante. Se o cliente volta com a caneca no estabelecimento em que a pegou, recebe um desconto na próxima bebida ou atendimento prioritário.

Descarte biodegradável

• A empresa paulista Bio&Green, vencedora do 5º Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade na categoria Microempresa, produz copos e bandejas biodegradáveis à base de bagaço de cana-de-açúcar.

Banir o uso de descartáveis é a melhor opção para proteger o meio ambiente. Como forma de reduzir a utilização de materiais plásticos, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) sugere que o consumidor comece usando seus próprios talheres, potes e canecas reutilizáveis no local de trabalho, no ambiente escolar ou em praças de alimentação.

Além disso, é importante recusar canudos, sacolinhas, talheres, pratos, travessas e demais descartáveis, aproveitando ao máximo os recipientes reutilizáveis. Esforços individuais fazem a diferença.