Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

05/06/2017

Tensão política sinaliza mudanças nas estratégias de investimento

Incertezas dificultam previsões para juros, câmbio e condução das reformas econômicas

Ajustar texto: A+A-

Tensão política sinaliza mudanças nas estratégias de investimento

Mercados ficaram voláteis em função da instabilidade política do País
(Tutu)

As recentes notícias sobre a política nacional – particularmente envolvendo o presidente da República – atingiram o quadro de estabilidade que vinha se formando na economia do País. Com isso, os mercados ficaram voláteis e assim devem permanecer por algum tempo. Nesse cenário de incerteza, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) discute três possibilidades que podem alterar as estratégias de investimento.

Veja também
Reformas exigem mudança de mentalidade do Estado
Investidor pode buscar mercados alternativos para diversificar investimentos
Investidor deve ficar atento às oportunidades no mercado de ações

Cenário de caos
Embora menos provável, ainda assim deve ser contemplado. A instabilidade pode se prolongar com o fim do atual governo ou com enfraquecimento que torne o Governo praticamente acéfalo até o início de 2019 quando assumiria um novo presidente. Para o investidor, a opção deve ser aplicações em renda fixa. Isso porque, nesse cenário, os juros não vão mais cair, a bolsa não se recupera e o câmbio fica muito volátil. Mas o Banco Central usaria reservas para que a situação ao menos no campo da inflação não saia de controle.

Cenário positivo
Tudo volta ao normal em pouco tempo: a base política de apoio ao governo é quase que integralmente recomposta e as reformas atrasam apenas um pouco. Os investidores deveriam aproveitar o momento para se desfazer de posições cambiais e comprar ações, pois o Ibovespa, principal índice da bolsa, se recuperaria em breve. O Banco Central continuaria reduzindo a taxa de juros, diminuindo o apelo da renda fixa e alavancando os preços das ações.

Cenário mais provável
O governo atual se mantém, mas enfraquecido, o que posterga indefinidamente as reformas. Também contemplamos a possibilidade de o governo não resistir às pressões, mas a transição de poder ser feita levando em conta peças importantes da equipe econômica. De qualquer forma, a recuperação da economia e a queda dos juros ficam comprometidas. Portanto, apostar no mercado acionário fica para aqueles que têm paciência para esperar retornos a longo prazo. A renda fixa volta a ser opção imediata. O Banco Central iria ao menos manter a conquista do controle inflacionário mantendo os juros relativamente elevados – acima do que se vinha imaginando para 2017 e 2018 –, e atuaria para evitar oscilações fortes da taxa de câmbio. O investidor deve monitorar o quadro assiduamente, pois as incertezas seriam maiores do que em um ambiente sem percalços.

Cada investidor deve avaliar as possibilidades e sua disponibilidade para o risco. Ao longo dos próximos dias será possível fazer uma análise mais concreta e razoável, mas podem haver momentos em que as expectativas devam passar da histeria completa à euforia em poucos minutos.