Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Para acessar todo o conteúdo dessa página (imagens, infográficos, tabelas), por favor, sugerimos que desabilite o recurso.

Economia

04/09/2020

Limitada a futuros servidores, Reforma Administrativa ideal envolveria funcionários públicos atuais

Ao UM BRASIL, economistas Ana Carla Abrão e Paulo Hartung afirmam que pauta contribui para aumentar a produtividade e reduzir a desigualdade social do País

Ajustar texto: A+A-

Limitada a futuros servidores, Reforma Administrativa ideal envolveria funcionários públicos atuais

Modernização do funcionalismo pode aumentar a produtividade dos servidores, avaliam economistas
(Arte/Tutu)

Encaminhada ao Congresso Nacional na quinta-feira (3), a proposta de Reforma Administrativa do governo remodela o funcionalismo público, porém, atinge apenas os futuros servidores do Poder Executivo federal. De acordo com os economistas Paulo Hartung e Ana Carla Abrão, o projeto ideal, que reduziria a desigualdade e aumentaria a produtividade da economia brasileira, deveria valer também para os funcionários públicos atuais.

“Precisamos começar essa reforma o quanto antes, e ela tem de vigorar para os servidores atuais, porque muita gente boa no serviço público é capaz de fazer muito mais, mas não o faz porque a estrutura não se modernizou”, explica Ana Carla, em debate promovido pelo UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP, em parceria com o CLP – Liderança Pública, com apoio do Unidos Pelo Brasil.

Confira mais entrevistas do UM BRASIL
Mesmo que não tenham depósitos, bancos emprestam quando acham que têm bons tomadores
Proteções trabalhistas têm de ser direcionadas às pessoas, e não aos empregos
Países com melhores ambientes de negócio são menos afligidos por corrupção

Ela salienta que a reforma não se trata de revisar salários, mas tornar o setor público mais eficiente, acabando com a progressão automática e instituindo avaliações de desempenho para identificar os servidores mais eficientes.

“Temos de parar com essa situação dual em que o trabalhador do setor privado sofre as intempéries da crise, enquanto o trabalhador do setor público está absolutamente blindado, inclusive recebendo aumento salarial”, afirma a sócia da consultoria em gestão Oliver Wyman e ex-secretária da Fazenda do Estado de Goiás. “Precisamos de um Estado capaz. Grande ou pequeno, para ele ser capaz, precisa ser eficiente, racional e caber na carga tributária. Acima de tudo, precisa ser um Estado capaz de nos ajudar a resolver o nosso maior problema: a desigualdade social”, complementa.

Hartung, por sua vez, avalia que “uma das grandes pedras amarradas no pé da economia brasileira é essa estrutura pública caríssima”. O ex-governador do Espírito Santo e ex-prefeito de Vitória menciona que nunca tinha visto “um ambiente tão aberto e favorável a um movimento reformista” como o atual e que a Reforma Administrativa é a “prioridade da prioridade”. Ele também defende que a Reforma Tributária seja encampada somente após a reformulação do setor público.

“[Assim] definimos o que precisamos financiar e qual dinheiro que temos que buscar na sociedade, por quais mecanismos – espero que mais justos e equilibrados e que tenhamos um sistema tributário, lá na frente, menos regressivo”, explica.

Hartung também ressalta que o “serviço público do jeito que está agrava a distribuição de renda e o problema dos privilégios no País”. Por isso, defende a reestruturação do funcionalismo. “Mexendo na estrutura pública, diminuímos a desigualdade social, prestigiamos os bons funcionários públicos, aumentamos a produtividade da economia brasileira e, ao mesmo tempo, temos um setor público com um custo adequado à estrutura econômica do País”, sintetiza.

Confira a entrevista na íntegra e se inscreva no canal UM BRASIL!