Editorial

28/03/2018

Arquitetura do Senac São Miguel dialoga com proposta educacional da instituição

Espaço, localizado na zona leste da cidade de São Paulo, foi projetado pelo escritório Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana para tornar o ambiente agradável e acolhedor aos alunos

Arquitetura do Senac São Miguel dialoga com proposta educacional da instituição

Entre outras diretrizes, o projeto arquitetônico considerou tanto a necessidade da redução do ruído proveniente da Avenida Marechal Tito, como da manutenção das árvores existentes no terreno
(Arte TUTU sobre foto de Ana Mello)

Um espaço bem projetado valoriza o processo de aprendizado dos alunos, pois torna o ambiente agradável e acolhedor. Seguindo esse conceito, o Senac São Miguel Paulista, na zona leste da capital, tem uma arquitetura que dialoga com a proposta pedagógica da instituição.

O escritório Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana foi o responsável pela unidade inaugurada no último dia 10 de março, na esquina da Avenida Marechal Tito com a Avenida Rosária. Com 26 mil metros quadrados construídos, essa é a maior unidade do Senac no Estado.

Veja também:
Abram Szajman inaugura Senac em São Miguel Paulista
“Arquitetura era feita priorizando prédios, não as pessoas”, diz Jan Gehl
A cidade é um organismo em permanente construção, diz Lacir Baldusco

Uma das bases do projeto foi trazer soluções que valorizassem a convivência e a integração social. Para isso, a solução arquitetônica contempla a criação de calçadas largas e de uma praça na entrada principal, concebidas para abrigar, além dos estudantes, a população do entorno.

Uma “alameda” que cruza o térreo do complexo de ensino composto por três blocos interligados conecta a praça principal a outra, interna, e aos pavimentos térreos dos edifícios no nível da rua.

“Nesse trajeto, os visitantes, convidados a adentrar na edificação, encontram logo na entrada pela Marechal Tito a biblioteca, e, mais adiante, um auditório, com atividades e eventos abertos ao público”, explica a arquiteta urbanista e sócia-titular da Levisky Arquitetos | Estratégia Urbana, Adriana Levisky.

O ruído intenso de veículos da Avenida Marechal Tito não poderia prejudicar o andamento dos estudos na unidade, por isso, foi necessária uma proteção acústica na fachada principal. O escritório se preocupou ainda em manter as árvores existentes no terreno, o que resultou em uma grande praça interna para a qual vários laboratórios e salas de aula, rodeados por vidros transparentes, estão voltados. Isso permite que os estudantes usufruam do verde e da iluminação natural ao mesmo tempo em que desenvolvem suas atividades.

“Quem está fora enxerga o que acontece internamente, como uma verdadeira vitrine de cursos profissionalizantes e vice-versa. É a aproximação dos espaços público-privados”, esclarece Adriana.

Os blocos foram projetados de acordo com as atividades educacionais ofertadas em cada um. O principal foi concebido para a realização da maioria dos cursos profissionalizantes. O bloco central, com dois pavimentos, traz um auditório no pavimento térreo para 200 pessoas e foi projetado para os cursos nas áreas de editoração, rádio e televisão. A praça interna desse bloco central garante a interligação entre todos os blocos do conjunto construído. A ala administrativa, bem como os cursos de paisagismo, visagismo e moda, além dos pavimentos de garagem, ficam no terceiro bloco.

Em seu interior, a nova unidade do Senac conta com corredores largos, que se transformam em áreas de convivência junto ao hall dos elevadores, compostas por lounges didáticos onde é possível ministrar aulas em um formato mais descontraído e fluido.

A comunicação visual e a iluminação têm papel fundamental para a ambientação dos espaços. Os pavimentos são temáticos, e cada modalidade de curso tem uma cor específica. Enquanto a gastronomia adota o vermelho, na informática se destaca o amarelo. Os respectivos mobiliários seguem o mesmo tom de forma lúdica e sensorial.